;
Este é um ambiente dedicado ao estudo da consciência em seus mais variados estágios de evolução e, principalmente, no estágio em que adquirimos a possibilidade de nos manifestar na forma humana. Por isso, decidimos dedicar nossa atual reencarnação para aprofundarmos o nosso autoconhecimento e ajudarmos outros irmãos que também necessitam de esclarecimento, e assim nos tornarmos cada vez mais conscientes de nós mesmos, de nossa bagagem evolutiva, adquirindo mais conhecimentos e experiências através dos quais possamos construir as “sinapses” capazes de nos “revelar” novas realidades, ou melhor, de nos revelar a verdadeira realidade, abandonando as ilusões a que estamos fixados por tanto tempo.

Marcadores

A Escolha da Espécie A Fé Que Transporta Montanhas A Gênese A Lei Divina ou Natural A Preocupação Com a Morte A Relevância do Passado Para o Presente A Vida A Vontade Ação dos Espíritos Sobre a Matéria Allan Kardec Alma do Mundo Amai os Vossos Inimigos Amar o Próximo Como a Si Mesmo André Luiz Ano I - Abril de 1858 - Nº 1 Ano I - Janeiro de 1858 - Nº 1 Ante os Novos Tempos Antigos e Modernos Sistemas do Mundo Apartamento As Causas Primárias As Escolas de Pensamento As Leis Morais As Potências da Alma Autodescobrimento: Uma Busca Interior Autoridade da Doutrina Espírita Bairro Cocó Bairro De Lourdes Bairro Joaquim Távora Bairro Meireles Beira Mar Bem-Aventurados os Aflitos Bem-Aventurados os Mansos e Pacíficos Bem-Aventurados os Misericordiosos Bem-Aventurados os Pobres de Espírito Bem-Aventurados os Puros de Coração Biografia de Allan Kardec Camille Flammaron Caminho Verdade e Vida Caracteres da Revelação Espírita Casa Casa nas Dunas Casa Plana Centros de Força Chico Xavier Circulação da Matéria Complexidades da Energia Concepções da História Científica Controle Universal do Ensino dos Espíritos Convite ao Bem Corretor Criação Das Manifestações Espíritas Desobsessão Deus Deus na Natureza Diferentes Naturezas de Manifestações Divaldo Pereira Franco Dos Espíritos Doutrina das Penas Eternas Duane P.Schultz & Sydney Ellen Schultz EADE - Antecedentes do Cristianismo EADE - Cristianismo e Espiritismo EADE - Evolução do Pensamento Religioso Edifício Saint Martin EEM - Evolução Histórica da Mediunidade EEM - Fundamentos ao Estudo da Mediunidade EEM - Mediunidade: Estudo e Prática Elementos Gerais do Universo Emmanuel Encarnação dos Espíritos Entre a Terra e o Céu ESDE - Espiritismo ou Doutrna Espírita - Conceito e Objeto ESDE - Introdução ao Estudo do Espiritismo ESDE - O Contexto Histórico do Século XIX na Europa Espiritismo Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita - EADE Estudo e Educação da Mediunidade - EEM Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita - ESDE Estudos Extras Explicação Filosofia Espírita Flat Fonte Viva Forças Contextuais na Psicologia Fortaleza Frederico Júnior Há Muitas Moradas na Casa de Meu Pai Henry Sausse História da Psicologia Moderna Horizontes da Mente Imóveis Interação Mente-Corpo Intervenção dos Espíritos no Mundo Corpóreo Introdução Introdução à Primeira Edição Publicada em Janeiro de 1868 Introdução ao Estudo da Doutrina Espírita Ipeak Jesus e Vida Joana D'Arc Joana D'Arc Médium Joanna de Ângelis João Nunes Maia Joe Dispenza Léon Denis Mansão Mansão nas Dunas Marcos do Desenvolvimento da Psicologia Moderna Mecânica Quântica Mensagens de Allan Kardec Método Meu Reino Não é Deste Mundo Miramez Missão dos Espíritas Missionários da Luz Mobiliado Muitos os Chamados e Poucos os Escolhidos Mundo Espírita ou Dos Espíritos Não Vim Destruir a Lei Naturalista Ninguém Pode Ver o Reino de Deus Se Não Nascer de Novo No Invisível Noções Preliminares Notícias Históricas O Amor O Amor - Dom Dvino O Bem e o Mal O Céu O Céu e o Inferno O Cristo Consolador O Critério da Doutrina dos Espíritos O Desenvolvimento da Psicologia Moderna O Despertar da Consciência - Do Átomo ao Anjo O Estudo da História da Psicologia O Evangelho Segundo o Espiritismo O Futuro e o Nada O Inferno O Livro dos Espíritos O Livro dos Médiuns O Papel da Ciência na Gênese O Pensamento O Problema do Ser O problema do Ser do Destino e da Dor O Purgatório O Ser Real Objetivo Dessa Obra Obreiros da Vida Eterna Os Dados da História Personalista Prefácio Princípio Vital Prolegômenos Psicologia Psicologia Humanística Psicologia Transpessoal Psicossíntese Que a Mão Esquerda Não Saiba o Que Faz a Direita Quem Serve Prossegue Revista Espírita Roberto Assagioli Rua Bento Albuquerque Saúde Sociedade Espírita Fraternidade Sócrates e Platão Precursores da Doutrina Cristã e do Espiritismo Trabalhadores da Última Hora Triplex Uranografia Geral Vida Feliz Wilhelm Wundt

Pesquisar este blog

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

O Céu e o Inferno, Primeira Parte, Capítulo V - O Purgatório

O CÉU E O INFERNO

PRIMEIRA PARTE

CAPÍTULO V - O PURGATÓRIO

1 — O Evangelho não faz nenhuma menção do purgatório, que só foi admitido pela Igreja no ano de 563. Trata-se inevitavelmente de um dogma mais racional e mais conforme à justiça de Deus que o inferno, pois estabelece penas menos rigorosas e mais aceitáveis para as faltas de mediana gravidade.

A ideia do purgatório funda-se, portanto, no princípio da equidade, pois comparado com a justiça humana equivale à detenção temporária em relação com a pena de condenação. O que se pensaria de um país que só tivesse a pena de morte para todos os crimes, até os mais simples delitos? Sem o purgatório só há para as almas as duas alternativas extremas: a felicidade absoluta ou o suplício eterno. Nesse caso, o que seria das almas culpadas somente de faltas leves? Ou elas partilhariam a felicidade dos eleitos sem serem perfeitas, ou sofreriam o castigo dos maiores criminosos sem os terem igualado no mal, o que não seria justo nem racional.

2 — Mas a noção do purgatório teria de ser necessariamente incompleta, pois só conhecendo o suplício do fogo procuraram diminui-lo numa ideia atenuada do inferno. As almas ainda se queimam, mas de maneira menos intensa. Não conciliável o progresso com o dogma das penas eternas, as almas não podem sair do purgatório através do seu próprio adiantamento, mas sim pela virtude das preces que se fazem ou se mandam fazer em sua intenção.

Se a ideia inicial foi boa, não se deu o mesmo com as suas consequências, em razão dos abusos de que ela se tornou fonte. Em virtude das preces pagas o purgatório se transformou numa mina mais produtiva que o inferno (1).

Postagens mais visitadas