;
Este é um ambiente dedicado ao estudo da consciência em seus mais variados estágios de evolução e, principalmente, no estágio em que adquirimos a possibilidade de nos manifestar na forma humana. Por isso, decidimos dedicar nossa atual reencarnação para aprofundarmos o nosso autoconhecimento e ajudarmos outros irmãos que também necessitam de esclarecimento, e assim nos tornarmos cada vez mais conscientes de nós mesmos, de nossa bagagem evolutiva, adquirindo mais conhecimentos e experiências através dos quais possamos construir as “sinapses” capazes de nos “revelar” novas realidades, ou melhor, de nos revelar a verdadeira realidade, abandonando as ilusões a que estamos fixados por tanto tempo.
Temas para estudo e reflexão

Tags

A Clarividência e a Escrita Direta A Fé Que Transporta Montanhas A Gênese A Grande Síntese A Lei Divina ou Natural A Oração A Preocupação Com a Morte A Providência A Rede da Vida A Relevância do Passado Para o Presente A Vida A Visão de Deus A Vontade Ação dos Espíritos Sobre a Matéria Allan Kardec Alma do Mundo Alquimia da Mente Amai os Vossos Inimigos Amar o Próximo Como a Si Mesmo André Luiz Ano I - Abril de 1858 - Nº 1 Ano I - Janeiro de 1858 - Nº 1 Ante os Novos Tempos Antigos e Modernos Sistemas do Mundo As Causas Primárias As Escolas de Pensamento As Leis Morais As Potências da Alma As Qualidades de Deus Associação Autodescobrimento: Uma Busca Interior Autoridade da Doutrina Espírita Bases Científicas do Espiritismo Bases Para a Autorrealização Bem-Aventurados os Aflitos Bem-Aventurados os Mansos e Pacíficos Bem-Aventurados os Misericordiosos Bem-Aventurados os Pobres de Espírito Bem-Aventurados os Puros de Coração Biografia de Allan Kardec Camille Flammaron Caminho Verdade e Vida Caracteres da Revelação Espírita Células e Corpo Espiritual Centros de Força Cérebro e Mente Chico Xavier Circulação da Matéria Complexidades da Energia Concepções da História Científica Consciente e Inconsciente Considerações Sobre a Origem do Câncer Controle Universal do Ensino dos Espíritos Convite ao Bem Criação Da Natureza Divina Das Manifestações Espíritas Desobsessão Deus Deus na Natureza Diferentes Naturezas de Manifestações Divaldo Pereira Franco Dos Espíritos Doutrina das Penas Eternas Duane P.Schultz & Sydney Ellen Schultz EADE - Antecedentes do Cristianismo EADE - Cristianismo e Espiritismo EADE - Evolução do Pensamento Religioso EEM - Evolução Histórica da Mediunidade EEM - Fundamentos ao Estudo da Mediunidade EEM - Mediunidade: Estudo e Prática Elementos Gerais do Universo Em Busca da Verdade Emmanuel Encarnação dos Espíritos Entre a Terra e o Céu Epes Sargent Escolha da Espécie ESDE - Espiritismo ou Doutrna Espírita - Conceito e Objeto ESDE - Introdução ao Estudo do Espiritismo ESDE - O Contexto Histórico do Século XIX na Europa Espiritismo Estudando a Mediunidade Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita - EADE Estudo e Educação da Mediunidade - EEM Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita - ESDE Estudos Extras Evolução em Dois Mundos Existem Espíritos? Existência de Deus Explicação Filosofia Espírita Fisiologia da Alma Fonte Viva Forças Contextuais na Psicologia Francisco Espírito Santo Neto Frederico Júnior Governo Interno Há Muitas Moradas na Casa de Meu Pai Hammed Henry Sausse Hercílio Maes Hermínio Correia de Miranda História da Psicologia Moderna Ho'Oponopono Horizontes da Mente Horizontes da Vida Interação Mente-Corpo Intervenção dos Espíritos no Mundo Corpóreo Introdução Introdução à Primeira Edição Publicada em Janeiro de 1868 Introdução ao Estudo da Doutrina Espírita Ipeak Jesus e Vida Joana D'Arc Joana D'Arc Médium Joanna de Ângelis João Nunes Maia Joe Dispenza Léon Denis LIbertação do Sofrimento Marcos do Desenvolvimento da Psicologia Moderna Mecânica Quântica Mensagens de Allan Kardec Mensagens Devidas aos Invisíveis Método Meu Reino Não é Deste Mundo Miramez Missão dos Espíritas Missionários da Luz Monismo Muitos os Chamados e Poucos os Escolhidos Mundo Espírita ou Dos Espíritos Não Vim Destruir a Lei Naturalista Ninguém Pode Ver o Reino de Deus Se Não Nascer de Novo No Invisível Noções Preliminares Nos Domínios da Mediunidade Notícias Históricas O Amor O Amor - Dom Dvino O Bem e o Mal O Céu O Céu e o Inferno O Cristo Consolador O Critério da Doutrina dos Espíritos O Desenvolvimento da Psicologia Moderna O Despertar da Consciência - Do Átomo ao Anjo O Estudo da História da Psicologia O Evangelho Segundo o Espiritismo O Futuro e o Nada O Gênio Céltico O Grande Enigma O Inconsciente - Território de Nossas Ignorâncias O Inferno O Livro dos Espíritos O Livro dos Médiuns O Maravilhoso e o Sobrenatural O Mundo Invisível O Papel da Ciência na Gênese O Pensamento O Pensamento Criador O Problema do Ser O problema do Ser do Destino e da Dor O Purgatório O Ser Humano em Crise Existencial O Ser Humano Pleno O Ser Real Objetivo Dessa Obra Obreiros da Vida Eterna Oração Os "Exageros do Cérebro Os Dados da História Pão Nosso Pensamento e Vida Personalista Pietro Ubaldi Prefácio Princípio Vital Prolegômenos Psicologia Psicologia Humanística Psicologia Transpessoal Psicossíntese Que a Mão Esquerda Não Saiba o Que Faz a Direita Quem Serve Prossegue Ramatis Reflexões Sobre Deus Revista Espírita Roberto Assagioli Saúde Significado do Ser Integral SIstemas Sociedade Espírita Fraternidade Sócrates e Platão Precursores da Doutrina Cristã e do Espiritismo Solidariedade - Comunhão Universal Trabalhadores da Última Hora Um Modo de Entender: Uma Nova Forma de Viver Unidade Substancial do Universo Uranografia Geral Usina Humana Vida Feliz Vida: Desafios e Soluções Wilhelm Wundt

Pesquisar este blog

terça-feira, 21 de junho de 2016

O Livro dos Médiuns, Introdução

O LIVRO DOS MÉDIUNS

INTRODUÇÃO

Diariamente a experiência confirma a nossa opinião de que as dificuldades e desilusões encontradas na prática espírita decorrem da ignorância dos princípios doutrinários. Sentimo-nos felizes ao verificar que foi eficiente o nosso trabalho para prevenir os adeptos para os perigos do aprendizado, e que muitos puderam evitá-los, com a leitura atenta desta obra.

Muito natural o desejo dos que se dedicam ao Espiritismo, de entrarem pessoalmente em comunicação com os Espíritos. Esta obra destina-se lhes facilitar isso, permitindo-lhes aproveitar os frutos de nossos longos e laboriosos estudos. Pois bem errado andaria quem julgasse que, para tornar-se perito no assunto, bastaria aprender a por os dedos numa mesa para fazê-la girar ou pegar um lápis para escrever.

Igualmente se enganaria quem pensasse encontrar nesta obra uma receita universal infalível para fazer médiuns. Embora cada qual já traga em si mesmo os germes das qualidades necessárias, essas qualidades se apresentam em graus diversos, e o seu desenvolvimento depende de causas estranhas à vontade humana. Não fazemos poetas, nem pintores ou músicos com as regras dessas artes, que servem apenas para orientar os dons de quem possui os respectivos talentos. Sua finalidade é indicar os meios de desenvolvimento da mediunidade em quem a possui, segundo as possibilidades de cada um, e, sobretudo orientar o seu emprego de maneira proveitosa. Mas não é esse o nosso único objetivo.

Aumenta todos os dias, ao lado dos médiuns, o número de pessoas que se dedica a manifestações espíritas. Orientá-las nas suas observações, apontar-lhes as dificuldades que certamente encontrarão, ensinar-lhes a maneira de se comunicarem com os Espíritos, obtendo boas comunicações, é o que também devemos fazer para completar o nosso trabalho. Ninguém estranhe, pois, se encontrar ensinamentos que poderão parecer descabidos. A experiência mostrará que são úteis. O estudo atencioso deste livro facilitará a compreensão dos fatos a observar. A linguagem de certos Espíritos parecerá menos estranha, Como instrução prática ele não se dirige exclusivamente aos médiuns, mas a todos que querem observar os fenômenos espíritas.

Desejariam alguns que publicássemos um manual prático mais sucinto, indicando em poucas palavras como entrar em comunicação com os Espíritos. Entendem que um livrinho assim, mais barato, podendo ser difundido com mais profusão, seria poderoso meio de propaganda, multiplicando o número de médiuns. Pensamos que isso seria mais nocivo que útil, pelo menos no momento. A prática espírita é difícil, apresentando escolhos que somente um estudo sério e completo pode prevenir. Uma exposição sucinta poderia facilitar experiências levianas, que levariam a decepções. São coisas com as quais não se deve brincar, e acreditamos que seria inconveniente pô-las ao alcance de qualquer estouvado que inventasse conversar com os mortos. Dirigimo-nos aos que veem no Espiritismo um objetivo sério, compreendendo toda a sua gravidade, e não pretendem brincar com as comunicações do outro mundo.

Chegamos a publicar uma Instrução Prática para os médiuns, que se encontra esgotada. Fizemo-la com objetivo sério e grave, mas apesar disso não a reimprimiríamos, pois já não corresponde à necessidade de esclarecimento completo das dificuldades que podem ser encontradas. Preferimos substituí-la por esta, em que reunimos todos os dados de uma longa experiência e de um estudo consciencioso. Ela contribuirá, esperamos, para mostrar o caráter sério do Espiritismo, que é a essência, e para afastar a ideia e frivolidade e divertimento.

Acrescentaremos uma importante consideração: a de que as experiências feitas com leviandade, sem conhecimento de causa, provocam péssimas impressões nos principiantes ou pessoas mal preparadas, tendo o inconveniente de dar uma ideia bastante falsa do mundo dos Espíritos, favorecendo a zombaria e dando motivos a críticas quase sempre bem fundadas. É por isso que os incrédulos saem dessas reuniões raramente convencidos e pouco dispostos a reconhecerem o aspecto sério do Espiritismo. A ignorância e a leviandade de certos médiuns têm causado maiores prejuízos do que se pensa na opinião de muita gente.

Vem progredindo bastante o Espiritismo, desde alguns anos, mas o seu maior progresso se verifica depois que entrou no rumo filosófico, porque despertou a atenção de pessoas esclarecidas. Hoje não é mais uma diversão, mas uma doutrina de que não riem os que zombavam das mesas-girantes. Esforçando-nos por sustentá-lo nesse terreno, estamos certos de conquistar adeptos mais úteis do que através de manifestações levianas. Temos a prova disso todos os dias, pelo número de adeptos resultante da simples leitura de O LIVRO DOS ESPÍRITOS.

Depois da exposição do aspecto filosófico da ciência espírita em O LIVRO DOS ESPÍRITOS, damos nesta obra a sua parte prática, para aqueles que desejarem ocupar-se das manifestações, seja pessoalmente, seja pela observação de experiências alheias. Verão aqui os escolhos que poderão encontrar e estarão em condições de evitá-los. Essas duas obras, embora se completem, são até certo ponto independentes uma da outra. Mas a quem quiser tratar seriamente do assunto, recomendamos primeiramente a leitura de O LIVRO DOS ESPÍRITOS, porque contém os princípios fundamentais, sem os quais talvez seja difícil a compreensão de algumas partes desta obra.

Esta segunda edição foi bem melhorada, apresentando-se mais completa do que a primeira. Foi corrigida com especial cuidado pelos Espíritos, que lhe acrescentaram grande número de observações e instruções do mais alto interesse. Como eles reviram tudo, aprovando ou modificando à vontade, podemos dizer que ela é, em grande parte, obra deles. Mesmo porque não se limitaram a intervir em algumas comunicações assinadas. Só indicamos os nomes, quando isso nos pareceu necessário para caracterizar algumas exposições mais extensas, como feitas textualmente por eles. De outra maneira, teríamos de mencioná-los quase em cada página, particularmente nas respostas dadas as nossas perguntas, o que nos pareceu inútil. Os nomes pouco importam, como se sabe, neste assunto. O essencial é que o trabalho corresponda, no seu conjunto, aos objetivos propostos. Esperamos assim que esta edição, mais perfeita que a primeira, seja tão bem recebida como aquela.

Como acrescentamos muitas coisas, e muitos capítulos inteiros, assim também suprimimos alguns trechos repetidos, como o da ESCALA ESPÍRITA, que já se encontra em O LIVRO DOS ESPÍRITOS.

Suprimimos ainda do vocabulário o que não se refere propriamente a esta obra, substituindo-o por coisas mais úteis. Esse vocabulário, aliás, não está completo, e pretendemos publicá-lo mais tarde, em separado, na forma de um pequeno dicionário da filosofia espírita. Conservamos nesta obra, tão somente, as palavras novas ou específicas, relativas ao assunto de que nos ocupamos.ocupamos.(1)

(1) A segunda edição, que serviu para esta tradução, constitui o texto definitivo do livro. As características que se notam entre este final do prefácio e o das nossas demais traduções de O Livro dos Médiuns decorrem de modificações nas edições francesas posteriores à morte de Kardec. É de particular interesse doutrinário a referência do Codificador ao seu desejo de publicar um Pequeno Dicionário da Filosofia Espírita, obra que continua a fazer falta na bibliografia doutrinária. (N. do T.)