;
“Divino Criador, pai, mãe, filho em um...
Se eu, minha família, meus parentes e ancestrais lhe ofenderam,
à sua família, parentes e ancestrais em pensamentos,
palavras, atos e ações do início da nossa criação até o presente,
nós pedimos seu perdão...
Deixe isto limpar, purificar, liberar, cortar todas as lembranças, bloqueios,
energias e vibrações negativas
e transmute estas energias indesejáveis em pura luz...
E assim está feito.”

Nos EUA há um homem conhecido como “o curandeiro dos curandeiros” chamado Jonathan Jacobs que trata de todos os problemas que vão desde os financeiros até casos de câncer, onde muitas vezes numa única sessão consegue verdadeiros milagres. Ele consegue entrar em contato com o EU-Espírito da pessoa e a partir daí desbloqueia as energias retidas e presas desde a época da infância ou quando o trauma se cristalizou. O Eu-Espírito entra em contato com a energia bloqueada e a libera. Ele diz que através dessa técnica tudo pode ser resolvido e em questão de horas. Precisamos aprender a liberar a energia da dor seja ela qual for, temos medo de entrar em contato novamente com essa energia e então a bloqueamos e a retemos em um determinado órgão, chakra ou célula. Se houver uma situação em sua vida, na qual você foi machucado, injuriado, você vai carregar isso por sua vida afora. Por isso estamos sempre repetindo os mesmos temas, os mesmos relacionamentos, as mesmas tristezas, está tudo preso no DNA. Felizmente podemos alterar qualquer padrão porque somos espíritos. Limpe os caminhos da energia e você poderá ter, fazer ou ser qualquer coisa que queira... Concentre-se numa única direção: LIMPEZA, LIMPEZA E LIMPEZA. Tudo mais é detalhe, perda de tempo, atalhos . Não importa procura por vidas passadas, ativação de DNA, pois a energia está presente em você aqui nesta vida, então é aqui que deve focar. Em relação ao DNA ele irá ser ativado automaticamente quando estiver totalmente livres de toda energia densa - e preparem-se pois quando isso acontecer , experimentaremos o amor verdadeiro e a libertação de toda dor e sofrimento. E Que Assim Seja!!!

O Projeto Psicologia do Espírito

BEM-VINDO AO PROJETO PSICOLOGIA DO ESPÍRITO!

Este é um projeto dedicado ao estudo da consciência em seus mais variados estágios de evolução e, principalmente, no estágio em que adquirimos a possibilidade de nos manifestar na forma humana. Por isso, decidimos dedicar nossa "existência" ao estudo, à pesquisa e a arte de escrever e, dentro do possível, e sem grande pretensões, conscientes de nossas inúmeras "limitações", ajudarmos a outros irmãos que, como nós, também necessitem de "esclarecimento", e assim possamos nos tornar cada vez mais conscientes de nós mesmos, de nossa bagagem evolutiva e das Leis que "disciplinam" todo o Universo, adquirindo os conhecimentos e vivenciando as experiências através dos quais possamos construir novas “sinapses” capazes de nos “revelar” cada vez mais novas possibilidades, construir novas realidades, e nos libertar das ilusões a que estamos fixados por tanto tempo.

Este estudo, portanto, requer tempo e dedicação, e por isso mesmo temos rogado a Deus e aos amigos (encarnados e desencarnados) - comprometidos com o trabalho daqueles que visam dedicar cada vez mais esforços para disponibilizar informações que auxiliem a todos que buscam o autoconhecimento e a autorrealização, atitudes imprescindíveis ao Espírito diante dos novos tempos -, que nos amparem e nos auxiliem, para que possamos ter forças, coragem e ânimo para prosseguir neste trabalho que nos exige estudo, fé e determinação.

Na base para a realização deste trabalho de transformação integral do homem, temos os seguintes pilares: O estudo contínuo de diversas correntes espiritualistas e de diversas correntes do conhecimento, manifestadas através da filosofia, da religião e da ciência; o trabalho como escritor, através do qual procuramos transmitir, humildemente, os conhecimentos adquiridos, incentivando a pesquisa, o espírito crítico, a dúvida, e a reflexão por parte de todos que nos leiam; o estudo amplo e continuado da psicologia em seus mais variados aspectos e suas mais diferentes abordagens, visando contribuir com a ampliação do seu papel, aprofundando o estudo e a compreensão da alma humana e do seu comportamento enquanto "personalidade" inserida em um contexto restrito, social e ao mesmo tempo "individualidade", viajante solitário de uma extraordinária experiência universal; da consciência imortal que somos e que, portanto, exige de todos, percepções e compreensões mais amplas; infinitamente mais amplas; o estudo amplo e continuado da mecânica quântica, por não termos dúvida quanto ao papel decisivo que a mesma tem e terá para a compreensão científica de todos os fenômenos que envolvem a consciência em seus mais variados níveis vibracionais, demonstrando de forma racional todo o potencial humano, enquanto cocriadores desse universo de infinitas possibilidades.

Para nós, o mais importante é contarmos com a sua participação e com o seu carinho, e por isso pedimos a todos que conhecem ou queiram conhecer nosso trabalho, que nos enviem suas vibrações positivas para que as mesmas possam nos fortalecer a alma, nos recarregar as forças, o ânimo e a coragem para desempenharmos de forma digna, humilde e paciente a nossa missão aqui na terra. A sua participação através da compra de nossos livros (impressos, porque em pdf estão disponíveis gratuitamente), ou da ajuda espontânea através de doações será, sem dúvida, de grande ajuda, posto que o nosso trabalho exige de nós, cada vez mais, maior tempo de pesquisa, recursos e muita dedicação.

Estamos felizes por compreendermos a nossa missão e rogamos a Deus que ilumine o caminho de todos, para que cada um possa compreender a sua, e a forma como deverá desempenhá-la.

Participe do site, da página e do nosso grupo de estudos e acompanhe a publicação dos textos para estudos. Leia-os, reflita e participe com seus comentários. Nosso trabalho é fomentar a pesquisa através da liberdade de duvidar, de questionar e, assim, avançarmos da dimensão do crer para a dimensão do saber, do conhecer, através da razão, da intuição e da experiência pessoal de cada um.

Luz e Paz!

Tags

A Clarividência e a Escrita Direta A Divina Unidade A Fé Que Transporta Montanhas A Gênese A Grande Síntese A Oração A Providência A Rede da Vida A Vida A Visão de Deus A Vontade Allan Kardec Alma do Mundo Alquimia da Mente André Luiz Ano I - Abril de 1858 - Nº 1 Ano Novo Ante os Novos Tempos As Potências da Alma As Qualidades de Deus Associação Autodescobrimento: Uma Busca Interior Bases Científicas do Espiritismo Bases Para a Autorrealização Camille Flammaron Capital Financeiro Capitalismo Caracteres da Revelação Espírita Células e Corpo Espiritual Centelha Divina Centros de Força Cérebro e Mente Chico Xavier Circulação da Matéria Complexidades da Energia Complexo-R Consciência Consciente e Inconsciente Considerações Sobre a Origem do Câncer Convite ao Bem Crenças Da Natureza Divina David Harvey Desobsessão Deus Deus e a Criação Deus na Natureza Divaldo Pereira Franco Economia Em Busca da Verdade Emmanuel Entre a Terra e o Céu Epes Sargent Escolha da Espécie Espiritismo Estudando a Mediunidade Estudos Extras Evolução em Dois Mundos Existem Espíritos? Existência de Deus Filosofia Espírita Fisiologia da Alma Fonte Viva Francisco Espírito Santo Neto Governo Interno Hammed Hélio Couto Hercílio Maes Hermínio Correia de Miranda Horizontes da Mente Horizontes da Vida Immanuel Wallerstein Instinto de Conservação Interação Mente-Corpo Introdução Introdução ao Estudo da Doutrina Espírita Jesus e Vida Joana D'Arc Joana D'Arc Médium Joanna de Ângelis João Nunes Maia Ladislau Dowbor Léon Denis LIbertação do Sofrimento Mecânica Quântica Mensagens Devidas aos Invisíveis Mentalidade Reptiliana Método Miramez Missão dos Espíritas Missionários da Luz Monismo Muitos os Chamados e Poucos os Escolhidos Neoliberalismo No Invisível Noções Preliminares Nos Domínios da Mediunidade O Amor O Amor - Dom Dvino O Cristo Consolador O Critério da Doutrina dos Espíritos O Despertar da Consciência - Do Átomo ao Anjo O Evangelho Segundo o Espiritismo O Gênio Céltico O Grande Enigma O Inconsciente - Território de Nossas Ignorâncias O Livro dos Espíritos O Livro dos Médiuns O Maravilhoso e o Sobrenatural O Mundo Invisível O Pensamento O Pensamento Criador O Problema do Ser O problema do Ser do Destino e da Dor O Ser Humano em Crise Existencial O Ser Humano Pleno O Ser Real O Sistema Obreiros da Vida Eterna Os "Exageros do Cérebro Pão Nosso Pensamento e Vida Pietro Ubaldi Plutocracia Prefácio Princípio Inteligente Quem Serve Prossegue Ramatis Reflexões Sobre Deus Revista Espírita Saúde Serviço de Passes Significado do Ser Integral SIstemas Solidariedade - Comunhão Universal Substância Primitiva Tao Te King Toni Negri Trabalhadores da Última Hora Um Modo de Entender: Uma Nova Forma de Viver Unidade Substancial do Universo Usina Humana Vida Feliz Vida: Desafios e Soluções Zona de Conforto

Pesquisar este blog

sábado, 29 de dezembro de 2018

Filosofia Espírita, João Nunes Maia, Miramez (Espírito), Capítulo 45 - Princípio Inteligente

FILOSOFIA ESPÍRITA - VOLUME XII

CAPÍTULO 45 – PRINCÍPIO INTELIGENTE (0606/LE)

O princípio inteligente de que são dotados todos os animais é constituído, pela força do tempo, que preparou a forma animal para receber a vida mais aperfeiçoada, que é a alma e que vem de Deus, elaborada pelos impulsos do progresso, e canalizados pelos agentes mais próximos do Criador.

Esse princípio inteligente não entra no corpo do animal em formação, mecanicamente, no ato da concepção animal. Benfeitores espirituais estão dedicando seus esforços para esse trabalho espiritual em variados lugares onde, por vezes, o homem pela ganância do ouro, provoca mais nascimentos. E Deus consente que Seus anjos trabalhem dobrado para manter a vida acesa em todos os campos da Terra.

Essa luz que move todas as coisas é filha de Deus, que desce do Criador e vem se transformando de degrau a degrau, até se materializar; depois, vai subindo novamente, alcançando a espiritualização. Em vários viventes, onde se move o Espírito-grupo, essa alma ainda não se individualizou; ganha corpos e torna a voltar em corpos sucessivos quantas vezes forem necessárias, alcançando, assim, a sua personalidade. A "reencarnação" se processa em todos os reinos e em todas as coisas, pois é neste labor que o Espírito conquista a libertação espiritual.

Os agentes de Deus estão mais ligados aos homens, animais e coisas do que se pensa; tudo se move com as suas presenças, pela ordem do Soberano Senhor. A humanidade deve compreender e respeitar os valores espirituais, e enquanto isso não ocorrer, os homens lutarão com as agressões da própria natureza, e ela cobrará deles o desrespeito às leis naturais.

O desprendimento é a forma primeira a que se deve dedicar. Todo usurário acaba preso pelos seus pertences, sem desfrutar do que pensa ser útil à sua vida.

Assim é o que entesoura para si mesmo e não é rico para com Deus. (Lucas, 12:21)

Os homens já despertos para as coisas espirituais devem entesourar os valores de vida eterna e serem ricos de moral, cultivando as virtudes todos os dias. Elas são sementes divinas, donde se entende que os seus frutos são alegria, amor e felicidade.

Tudo na vida se encadeia para a frente, começando em processo de agrupamento como uma massa divina, depois os elos vão se individualizando e tomando personalidade, buscando a razão; a inteligência surge e a liberdade cresce. Todos têm o mesmo direito de, algum dia, alcançar a luz própria.

O animal não foi feito para ser sempre animal; o princípio inteligente que o anima, no amanhã partirá para o reino humano, depois para o angélico e assim sucessivamente, até a plenitude da própria vida, onde o amor se faz dominar, e o coração se transforma em sol que alimenta a si mesmo, em todas as circunstâncias. Mas, mesmo assim, o comando central é de Deus, em toda a extensão do ninho cósmico.

A verdade é relativa para todos os seres; ela é revelada de acordo com a elevação das criaturas. Os homens que estagiam na Terra são ainda crianças, em se referindo aos mundos venturosos.

O princípio inteligente dos animais, por quantas vezes deixarem os corpos, passam por elaborações diferentes no mundo espiritual; para irem tomando posição cada vez mais enriquecida, de forma a ganhar qualidades ou despertar valores, até se apresentar nas primeiras reencarnações como ser humano. E daí, começa a vivenciar as suas vidas múltiplas, conquistando novos valores.

MAIA, J. N.; MIRAMEZ (Espírito). Filosofia Espírita. V. XII, cap. 45

sexta-feira, 28 de dezembro de 2018

Filosofia Espírita, João Nunes Maia, Miramez (Espírito), Capítulo 29 - Instinto de Conservação

FILOSOFIA ESPÍRITA - VOLUME XII

CAPÍTULO 29 – INSTINTO DE CONSERVAÇÃO (0590/LE)

As árvores não têm um instinto de conservação como se opera nos animais, e mesmo nos homens; o "instinto" nelas é mais mecânico, no entanto, ele cresce no desenvolvimento das formas que, aos olhos humanos, é imperceptível.

Todos os reinos da natureza buscam o mais alto. Em toda a extensão do universo se nota essa força poderosa que a tudo arrasta, que a tudo comanda. O pensamento de Deus programa toda a vida no fluido cósmico, ou seja, no hálito divino, que se renova na sua circulação universal, em tudo penetrando, assegurando assim o bem-estar, a harmonia em todas as coisas. Essa programação de vida é assimilada por tudo o que existe, e essa assimilação é de acordo com o crescimento de quem respira. Do átomo até ao homem, e deste até aos anjos, a bênção é para todos, porém, cada um recebe o que precisa receber. Essa é a justiça, o amor.

Se queres pensar que as árvores têm instinto de conservação, podes pensá-lo; no entanto, deves observar que isso ocorre em dimensão diferente dos animais. Em tudo penetra a inteligência divina, comandando todos os elementos nos seus devidos lugares, para que haja ordem nas formas. Observa a química: quando os corpos se repelem ou se atraem, é o mecanismo da vida que se expande em todas as direções. Daí é que se parte para o crescimento em busca do que o homem possui e os anjos conquistaram. É nesse sentido que devemos respeitar tudo o que nos cerca, por ter saído do mesmo foco que nós outros.

O amor é tão grande, que tudo que existe e a que nos dedicamos, nos responde com o amor, nos responde com perfeita troca de elementos sutis à percepção comum. O amor é a semente divina que devemos semear, porque a colheita não pode ser, por justiça, a mesma de quem não se preocupou em plantar. Se os minerais, plantas e animais estão na nossa retaguarda, porque não ajudar esses reinos a subir a escada que já palmilhamos, se os que estão em nossa frente estão sempre nos dando as mãos? Se Deus é amor, o nosso dever é amar a Ele sobre todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos, para que a vida se expresse como luz nos nossos caminhos.

Cada planta é um laboratório divino, na divina seara do Senhor. Ela sabe selecionar os elementos que lhe possam sustentar a vida. Um pé de laranja não dá abacaxi, mesmo que estiverem juntos no mesmo campo e irrigados com a mesma água, soprados pelo mesmo ar e adubados pelo mesmo adubo. É o mecanismo do seu mundo oculto, é o comando de Deus pelos Seus recursos espirituais. Os agentes da vida maior estão espalhados em toda a criação, e eles entendem como se deve fazer e comandar, em nome do Criador, em se falando no crescimento das coisas. São poucos, mas esses tiraram a nota máxima na universidade da Terra, usando um corpo físico. A missão não é somente no mundo religioso, o mesmo ocorre com diversos trabalhos artísticos, e muitas descobertas científicas. Os missionários são diversos no mundo inteiro, operando em fatores diferentes, para ajudar ao progresso e sustentar, de certa forma, a existência de Deus e a presença dos Seus agentes de luz, nos caminhos dos homens.

MAIA, J. N.; MIRAMEZ (Espírito). Filosofia Espírita. V. XII, cap. 29

domingo, 16 de dezembro de 2018

Filosofia Espírita, João Nunes Maia, Miramez (Espírito), Capítulo 28 - A Divina Unidade

FILOSOFIA ESPÍRITA - VOLUME II

CAPÍTULO 28 – A DIVINA UNIDADE (0079/LE)

Deus é a Unidade Suprema. A sua vida é um mistério escondido nas dobras da eternidade, de modo que os espíritos, seus filhos, passam a compreender algumas das suas nuances, pelo processo de despertamento dos dons recebidos da grande fonte, desde a sua formação. Buscando a profundidade das coisas, vibrando no seio da divindade, Ela, em Deus, é una quando sai de seu campo de força, se podemos empregar este termo; a partir daí, se divide pelas condições do próprio ambiente, compreendendo que, no fundo, é a mesma essência, porém, tomando expressões variadas, com objetivos inúmeros, obediente ao comando da Suprema Inteligência. Quem pode dizer ou afirmar a quantidade de divisões da essência unificada no Criador? Ninguém sabe, pois as expressões desse fluído são incontáveis. Nele pulsa a vida na Terra e em todos os mundos, no espaço chamado vazio e em todas as dimensões espirituais, em um cinetismo indescritível.

Essa matéria primitiva, ou energia cósmica, como a queiramos chamar, desprendida da lúcida mente do Senhor, é o agente que atende a todos os reclamos da vida, que faz perceber toda a casa universal, como se estivesse presente em toda a parte. O homem na Terra pode deduzir essas transmutações, pelo que é feito e observado nos próprios laboratórios através das mudanças dos elementos, sendo a forja divina o próprio tempo; a lavoura e a pecuária nos dão uma ideia, e mesmo a vida humana nos fornece campo para essas deduções.

Existe uma escala periódica dos elementos que compõe as coisas, os elementos atômicos. Diminuídos ou acrescentados, muda-se a estrutura da matéria e, as vezes, a sua forma. Somente a matéria primitiva, certamente quem a criou, são imutáveis e escapam todas as pesquisas humanas e mesmo espirituais em nosso reino, ou por assim dizer, na faixa de vida em que vivemos.

Todos os estudiosos buscam com interesse a genealogia do espírito, de onde ele veio e para onde vai, na ância de saber o seu próprio destino. Até certo ponto não tiramos a razão deles, no entanto, é imperioso que reconheçamos que essa marcha é vagarosa. É uma subida lenta, a do saber, e deve obedecer, por lei, à evolução de cada criatura.

Certamente que o espírito nasceu da mesma fonte de onde saíram todas as coisas, porque tudo que sai de Deus é divino, com qualidades sublimadas a serem despertadas, e o tempo é o processo desse crescer. Se notarmos os feitos dos grandes homens, o seu amor por todas as coisas sem distinção, dá para entendermos que somos todos irmãos, pela unidade universal de toda a criação. Cada um e cada coisa vive em dimensão diferente, entretanto, carregam no centro da vida o próprio Criador, de maneira a ouvi-lo e senti-lo na sua vontade poderosa e santa. Tanto elemento material, como afirma O Livro dos Espíritos, como elemento inteligente do universo saíram do hálito divino e estão em processo de despertamento, pois tudo e todos somos filhos da Unidade Divina.

MAIA, J. N.; MIRAMEZ (Espírito). Filosofia Espírita. V. II, cap. 28

Nos Domínios da Mediunidade, Chico Xavier, André Luiz (Espírito), Capítulo 17 - Serviço de Passes

NOS DOMÍNIOS DA MEDIUNIDADE

CAPÍTULO 17 – SERVIÇO DE PASSES

Atravessamos a porta e fomos defrontados por ambiente balsâmico e luminoso.

Um cavalheiro maduro e uma senhora respeitável recolhiam apontamentos em pequeno livro de notas, ladeados por entidades evidentemente vinculadas aos serviços de cura.

Indicando os dois médiuns, o Assistente informou:

– São os nossos irmãos Clara e Henrique, em tarefa de assistência, orientados pelos amigos que os dirigem.

– Como compreender a atmosfera radiante em que nos banhamos? – aventurou Hilário, curioso.

– Nesta sala – explicou Áulus, amigavelmente – se reúnem sublimadas emanações mentais da maioria de quantos se valem do socorro magnético, tomados de amor e confiança. Aqui possuímos uma espécie de altar interior, formado pelos pensamentos, preces e aspirações de quantos nos procuram trazendo o melhor de si mesmos.

Não dispúnhamos, todavia, de muito tempo para a conversação isolada.

Clara e Henrique, agora em prece, nimbavam-se de luz.

Dir-se-ia estavam quase desligados do corpo denso, porque se mostravam espiritualmente mais livres, em pleno contacto com os benfeitores presentes, embora por si mesmos não no pudessem avaliar.

Calmos e seguros, pareciam haurir forças revigorantes na intimidade de suas almas. Guardavam a ideia de que a oração lhes mantinha o espírito em comunicação com invisível e profundo manancial de energia silenciosa.

Ante a porta ainda cerrada, acotovelavam-se pessoas aflitas e bulhentas, esperando o término da preparação a que se confiavam.

Os dois médiuns, porém, afiguravam-se-nos espiritualmente distantes.

Absortos, em companhia das entidades irmãs, registravam-lhes as instruções, através dos recursos intuitivos.

Pelas irradiações da personalidade magnética de Henrique, reconhecia-se-lhe, de imediato, a superioridade sobre a companheira. Era ele, dentre os dois, o ponto dominante.

Por isso, decerto, ao seu lado se achava o orientador espiritual mais categorizado para a tarefa.

Áulus abraçou-o e no-lo apresentou, gentil.

O irmão Conrado, nosso novo amigo, enlaçou-nos acolhedor.

Anunciou que o serviço estaria à nossa disposição para os apontamentos que desejássemos.

E o nosso instrutor, colocando-nos à vontade, autorizou-nos dirigir a Conrado qualquer indagação que nos ocorresse.

Hilário, que nunca sopitava a própria espontaneidade, começou, como de hábito, a inquirição, perguntando respeitosamente:

– O amigo permanece frequentemente aqui?

– Sim, tomamos sob nossa responsabilidade os serviços assistenciais da instituição, em favor dos doentes, duas noites por semana.

– Dos enfermos tão-somente encarnados?

– Não é bem assim. Atendemos aos necessitados de qualquer procedência.

– Conta com muitos cooperadores?

– Integramos um quadro de auxiliares, de acordo com a organização estabelecida pelos mentores da Esfera Superior.

– Quer dizer que, numa casa como esta, há colaboradores espirituais devidamente fichados, assim como ocorre a médicos e enfermeiros num hospital terrestre comum?

– Perfeitamente. Tanto entre os homens como entre nós, que ainda nos achamos longe da perfeição espiritual, o êxito do trabalho reclama experiência, horário, segurança e responsabilidade do servidor fiel aos compromissos assumidos. A Lei não pode menosprezar as linhas da lógica.

– E os médiuns? são invariavelmente os mesmos?

– Sim, contudo, em casos de impedimento justo, podem ser substituídos, embora nessas circunstâncias se verifiquem, inevitavelmente, pequenos prejuízos resultantes de natural desajuste.

Meu colega passeou o olhar inquieto pelos dois companheiros encarnados, em oração, e continuou:

– Preparam-se nossos amigos, à frente do trabalho, com o auxílio da prece?

– Sem dúvida. A oração é prodigioso banho de forças, tal a vigorosa corrente mental que atrai. Por ela, Clara e Henrique expulsam do próprio mundo interior os sombrios remanescentes da atividade comum que trazem do círculo diário de luta e sorvem do nosso plano as substâncias renovadoras de que se repletam, a fim de conseguirem operar com eficiência, a favor do próximo. Desse modo, ajudam e acabam por ser firmemente ajudados.

– Isso significa que não precisam recear a sua exaustão...

– De modo algum. Tanto quanto nós, não comparecem aqui com a pretensão de serem os senhores do benefício, mas sim na condição de beneficiários que recebem para dar. A oração, com o reconhecimento de nossa desvalia, coloca-nos na posição de simples elos de uma cadeia de socorro, cuja orientação reside no Alto. Somos nós aqui, neste recinto consagrado à missão evangélica, sob a inspiração de Jesus, algo semelhante à singela tomada elétrica, dando passagem à força que não nos pertence e que servirá na produção de energia e luz.

A explicação não podia ser mais clara.

E enquanto Hilário sorria satisfeito, Conrado afagou os ombros de Henrique, como a recordar-lhe o horário estabelecido, e o médium, apesar de não lhe assinalar o gesto no campo das sensações físicas, obedeceu, de pronto, encaminhando-se para a porta e descerrando-a aos sofredores.

Pequena multidão de encarnados e desencarnados aglomerou-se à entrada, todavia, companheiros da casa controlavam-lhes os movimentos.

Conrado entregou-se ao trabalho que lhe competia e, em razão disso, tornamos à intimidade do Assistente.

Ambos os médiuns atacaram a tarefa.

Enfermos de variada expressão entravam esperançosos e retiravam-se, depois de atendidos, com evidentes sinais de reconforto. Das mãos de Clara e Henrique irradiavam-se luminosas chispas, comunicando-lhes vigor e refazimento.

Na maioria dos casos, não precisavam tocar o corpo dos pacientes, de modo direto. Os recursos magnéticos, aplicados a reduzida distância, penetravam assim mesmo o “halo vital” ou a aura dos doentes, provocando modificações subitâneas.

Os passistas afiguravam-se-nos como duas pilhas humanas deitando raios de espécie múltipla, a lhes fluírem das mãos, depois de lhes percorrerem a cabeça, ao contacto do irmão Conrado e de seus colaboradores.

O quadro era efetivamente fascinador pelos jogos de luz que apresentava.

Hilário sondou o ambiente e, em seguida, indagou de nosso orientador:

– Por que motivo a energia transmitida pelos amigos espirituais circula primeiramente na cabeça dos médiuns?

– Ainda aqui – disse Áulus –, não podemos subestimar a importância da mente. O pensamento influi de maneira decisiva, na doação de princípios curadores. Sem a ideia iluminada pela fé e pela boa-vontade, o médium não conseguiria ligação com os Espíritos amigos que atuam sobre essas bases.

– Entretanto – ponderei –, há pessoas tão bem dotadas de força magnética perfeitamente despreocupadas do elemento moral!...

– Sim – redarguiu o Assistente –, refere-se você aos hipnotizadores comuns, muita vez portadores de energia excepcional. Fazem belas demonstrações, impressionam, convencem, contudo, movimentam-se na esfera de puro fenômeno, sem aplicações edificantes no campo da espiritualidade. É imperioso não esquecer, André, que o potencial magnético é peculiar a todos, com expressões que se graduam ao infinito.

– Mas semelhantes profissionais podem igualmente curar! – frisou meu companheiro, completando-me as observações.

– Sim, podem curar, mas acidentalmente, quando o enfermo é credor de assistência espiritual imediata, com a intervenção de amigos que o favorecem. Fora disso, os que abusam dessa fonte de energia, explorando-a ao seu bel-prazer, quase sempre resvalam para a desmoralização de si mesmos, porque interferindo num campo de forças que lhes é desconhecido, guiados tão-somente pela vaidade ou pela ambição inferior, fatalmente encontram entidades que com eles se afinam, precipitando-se em difíceis situações que não vêm à baila comentar. Se não possuem um caráter elevado, suscetível de opor um dique à influenciação viciosa, acabam vampirizados por energias mais acentuadas que as deles, porquanto, se considerarmos o assunto apenas sob o ponto de vista da força, somos constrangidos a reconhecer que há imenso número de vigorosos hipnotizadores espirituais, nas linhas atormentadas da ignorância e da crueldade, de onde se originam os mais aflitivos processos de obsessão.

E, sorrindo, acrescentou:

– Recordemos a Natureza. A serpente é um dos maiores detentores de poder hipnótico.

– Então – disse Hilário –, para curar, serão indispensáveis certas atitudes do espírito...

– Indiscutivelmente não prescindimos do coração nobre e da mente pura, no exercício do amor, da humildade e da fé viva, para que os raios do poder divino encontrem acesso e passagem por nós, a benefício dos outros. Para a sustentação de um serviço metódico de cura, isso é indispensável.

– Entretanto, para o esforço desse tipo precisaremos de pessoas escolhidas, com a obrigação de efetuarem estudos especiais? 

– Importa ponderar – disse Áulus, convicto – que em qualquer setor de trabalho a ausência de estudo significa estagnação. Esse ou aquele cooperador que desistam de aprender, incorporando novos conhecimentos, condenam-se fatalmente às atividades de subnível, todavia, em se tratando do socorro magnético, tal qual é administrado aqui, convém lembrar que a tarefa é de solidariedade pura, com ardente desejo de ajudar, sob a invocação da prece. E toda oração, filha da sinceridade e do dever bem cumprido, com respeitabilidade moral e limpeza de sentimentos, permanece tocada de incomensurável poder. Analisada a questão nestes termos, todas as pessoas dignas e fervorosas, com o auxílio da prece, podem conquistar a simpatia de veneráveis magnetizadores do Plano Espiritual, que passam, assim, a mobilizá-las na extensão do bem. Não nos achamos à frente do hipnotismo espetacular, mas sim num gabinete de cura, em que os médiuns transmitem os benefícios que recolhem, sem a presunção de doá-los de si mesmos. É importante não esquecer essa verdade para deixarmos bem claro que, onde surjam a humildade e o amor, o amparo divino é seguro e imediato.

O ministério da cura, porém, a desdobrar-se eficiente e pacífico, reclamava-nos atenção.

Os doentes entravam dois a dois, sendo carinhosamente atendidos por Clara e Henrique, sob a providencial assistência de Conrado e seus colaboradores.

Obsidiados ganhavam ingresso no recinto, acompanhados de frios verdugos, no entanto, com o toque dos médiuns sobre a região cortical, depressa se desligavam, postando-se, porém, nas vizinhanças, como que à espera das vítimas, com a maioria das quais se reacomodavam, de pronto. Alinhando apontamentos, começamos a reparar que alguns enfermos não alcançavam a mais leve melhoria.

As irradiações magnéticas não lhes penetravam o veículo orgânico.

Registrando o fenômeno, a pergunta de Hilário não se fez esperar.

– Por quê?

– Falta-lhes o estado de confiança – esclareceu o orientador.

– Será, então, indispensável a fé para que registrem o socorro de que necessitam?

– Ah! sim. Em fotografia precisamos da chapa impressionável para deter a imagem, tanto quanto em eletricidade carecemos do fio sensível para a transmissão da luz. No terreno das vantagens espirituais, é imprescindível que o candidato apresente uma certa “tensão favorável”. Essa tensão decorre da fé. Certo, não nos reportamos ao fanatismo religioso ou à cegueira da ignorância, mas sim à atitude de segurança íntima, com reverência e submissão, diante das Leis Divinas, em cuja sabedoria e amor procuramos arrimo. Sem recolhimento e respeito na receptividade, não conseguimos fixar os recursos imponderáveis que funcionam em nosso favor, porque o escárnio e a dureza de coração podem ser comparados a espessas camadas do gelo sobre o templo da alma.

A lição fora simples e bela.

Hilário calou-se, talvez para refletir sobre ela, em silêncio.

Sem descurar dos nossos objetivos de estudo, Áulus considerou a conveniência de nosso contacto direto com o serviço em ação. Seria interessante para nós a auscultação de algum dos casos em foco.

Para isso, aproximou-se de idosa matrona que acabava de entrar, à cata de auxilio e, com permissão de Conrado, convidou-nos a examiná-la com cuidado possível.

A senhora, aguardando o concurso de Clara, sustentava-se dificilmente de pé, com o ventre volumoso e o semblante dolorido.

– Observem o fígado!

Utilizamo-nos dos recursos ao nosso alcance passamos a analisar.

Realmente, o órgão mencionado demonstrava a dilatação característica das pessoas que sofrem de insuficiência cardíaca. As células hepáticas pareceram-me vasta colmeia, trabalhando sob enorme perturbação. A vesícula congestionada impeliu-me a imediata inspeção do intestino. A bile comprimida atingira os vasos e assaltava o sangue. O colédoco interdito facilitava o diagnóstico. Ligeiro exame da conjuntiva ocular confirmava-me a impressão.

A icterícia mostrava-se insofismável.

Após ouvir-me, Conrado reafirmou:

– Sim, é uma icterícia complicada. Nasceu de terrível acesso de cólera, em que nossa amiga se envolveu no reduto doméstico. Rendendo-se, desarvorada, à irritação, adquiriu renitente hepatite, da qual a icterícia é a consequência.

– E como será socorrida?

Conrado, impondo a destra sobre a fronte da médium, comunicou-lhe radiosa corrente de forças e inspirou-a a movimentar as mãos sobre a doente, desde a cabeça até o fígado enfermo.

Notamos que o córtex encefálico se revestiu de substância luminosa que, descendo em fios tenuíssimos, alcançou o campo visceral.

A senhora exibiu inequívoca expressão de alívio, na expressão fisionômica, retirando-se visivelmente satisfeita, depois de prometer que voltaria ao tratamento.

Hilário fixou os olhos interrogadores no Assistente que nos acompanhava, solícito, e indagou:

– Nossa irmã estará curada?

– Isso é impossível – acentuou Áulus, paternal –; temos aí órgãos e vasos comprometidos. O tempo não pode ser desprezado na solução.

– E em que bases se articula semelhante processo de curar?

– O passe é uma transfusão de energias, alterando o campo celular. Vocês sabem que na própria ciência humana de hoje o átomo não é mais o tijolo indivisível da matéria... que, antes dele, encontram-se as linhas de força, aglutinando os princípios subatômicos, e que, antes desses princípios, surge a vida mental determinante... Tudo é espírito no santuário da Natureza. Renovemos o pensamento e tudo se modificará conosco. Na assistência magnética, os recursos espirituais se entrosam entre a emissão e a recepção, ajudando a criatura necessitada para que ela ajude a si mesma. A mente reanimada reergue as vidas microscópicas que a servem, no templo do corpo, edificando valiosas reconstruções. O passe, como reconhecemos, é importante contribuição para quem saiba recebê-lo, com o respeito e a confiança que o valorizam.

– E pode, acaso, ser dispensado a distância?

– Sim, desde que haja sintonia entre aquele que o administra e aquele que o recebe. Nesse caso, diversos companheiros espirituais se ajustam no trabalho do auxílio, favorecendo a realização, e a prece silenciosa será o melhor veículo da força curadora.

O serviço, em torno, prosseguia intenso.

Áulus considerou que a nossa presença talvez sobrecarregasse as preocupações de Conrado, e que não seria lícito permanecer junto dele por mais tempo, já que havíamos recolhido os apontamentos rápidos que nos propúnhamos obter e, à vista disso, despedimo-nos do supervisor, buscando o salão central para a continuidade de nossas abençoadas lições.

XAVIER, F. C.; ANDRÉ LUIZ (Espírito). Serviço de Passes. In: Nos Domínios da Mediunidade, cap. 17

domingo, 19 de agosto de 2018

Horizontes da Vida, João Nunes Maia, Miramez (Espírito), Capítulo 10 - O Pensamento Criador

HORIZONTES DA VIDA

CAPÍTULO 10 – O PENSAMENTO CRIADOR

O Espírito pode e deve libertar-se de tudo que o circunda, no entanto, o criador, ele é e será sempre dependente para a eternidade. Tudo que se move na criação, tem como impulso o pensamento criador, tudo nasce dos impulsos mentais de Deus, se assim podemos falar.

Os seres humanos, já percebem na formação dos seus pensamentos  “o pensamento de Deus”. Ele, de certa forma, faz parte das nossas ideias, porém, existem intervalos na faixa do pensamento em que o Senhor faculta aos nossos sentimentos espirituais a liberdade da expressão.

Estamos, como já falamos no século do mentalismo, e quantas pessoas nas suas interrogações  questionam de onde vem os nossos próprios pensamentos. É um bom questionamento, porquanto essas almas já confiam que não são apenas elas que geram os pensamentos e se encontram procurando a fonte verdadeira das suas próprias ideias.

Como é sublime esta ciência, que é a ciência da vida. É uma filosofia de vida da qual pode nascer a nossa felicidade, que começa na pureza dos nossos sentimentos. Segue-se daí, que a nossa paz depende de nós, porque Deus já fez a sua parte em nosso favor e, se buscarmos mais profundamente notaremos que os nossos desacertos servem para o nosso aprendizado. A vida é sempre uma escola, e a natureza, nossa professora que nunca erra, por ser ela firmada pela mente do criador.

A mente da criatura comanda todos os corpos que lhe atendem as necessidades. O Espírito precisa de muitos corpos intermediários, cujas funções são múltiplas, no engenho da vida. Entrementes, a força mental é que da a eles vida e movimento, ordens e comando, para que sirvam de instrumentos fieis a sua orientação. Quando a mente fraqueja, eles são acionados por forças estranhas, às vezes por inimigos espirituais, que passam a dar ordens para ele, e com o tempo, desacostumam-se com as diretrizes do seu dono. Muitas possessões podem se encaixar nessa verdade.

Não te esqueças dessas verdades e começa a comandar os teus corpos. Esse exercício pode ser feito todos os dias, até completo domínio, para que o escravo não mande no seu Senhor. Dá ordens aos teus órgãos igualmente, que eles te obedecerão. E, se nas primeiras vezes não der resultados, continua, que com o perpassar do tempo, tudo entrará na harmonia, porque teus corpos, sejam eles quantos forem, são teus cativos. Assim, como não podes libertar-te do pensamento Criador, eles, teus corpos espirituais, não podem se libertar de ti, que diante deles, é o criador.

A tua felicidade depende do teu modo de vida. Existem já muitas criaturas na terra conhecedoras dessa verdade. Sê mais um, engrossando as fileiras dos libertados, no sentido de que em breve o mundo será um paraíso, onde o amor será o alimento das almas, e a fraternidade a água de luz para saciar a sede de todos os seus ocupantes.

Se desejas melhorar a tua vida, escuta o que falamos, porque o fazemos por amor a todos que carregam no mundo um corpo físico. Não estranhamos o que estás passando, pois são consequências por vezes do passado distante ou resultante de processos de despertamento espiritual. Os que já passaram por esses caminhos, sabem o quanto vale a tolerância.

Na profundidade do conhecimento sobre Deus, sabemos que ele não pensa, ele não fala, ele não escreve, ele não raciocina, porque Ele é. Tudo o que falarmos sobre essa personalidade incomparável, o estaremos diminuindo. Falamos do “pensamento criador”, por não termos outro vocabulário que expresse a grandeza daquele que tudo fez por processos desconhecidos aos homens, mesmo os de ciência, que se confundem ante a sabedoria do grande soberano.

Cuidemos, pois, das nossas criações, porque as de Deus nunca falham. A tua felicidade depende do teu modo de vida.

MAIA, J. N.; MIRAMEZ (Espírito). O Pensamento Criador. In: Horizontes da Vida, cap.10.

Filosofia Espírita, João Nunes Maia, Miramez (Espírito), Capítulo 13 - As Qualidades de Deus

FILOSOFIA ESPÍRITA - VOLUME I

CAPÍTULO 13 – AS QUALIDADE DE DEUS

As qualidades de Deus são marcadas pelas nossas comparações pálidas, por não haverem outras em que possamos nos apoiar. Sujeitamos o Senhor às nossas fracas deduções em confronto com os nossos dons, colocando o nosso Pai Celestial dotado das nossas faculdades altamente aprimoradas. Que Ele nos perdoe as comparações.

Quando falamos que Deus é a Suprema Inteligência, é porque não encontramos recursos na linguagem para destacá-LO de outra forma. Inteligência e razão ainda são posses do Espírito comum; o Criador está acima de todas as colocações humanas, e mesmo espirituais, do nosso plano. Quando falamos que Deus é Amor, certamente estamos diminuindo o Grande Foco de Luz que nos sustenta a todos. O amor é um dos seus atributos; Ele é muito mais que o amor. Ele é, pois, o Incomparável.

A ansiedade dos homens em conhecer Deus, seus atributos, sua intimidade, é impulso dos primeiros passos da criatura na escala evolutiva, e isso vai se arrefecendo de acordo com a sequência do despertar espiritual; não que os Espíritos percam a vontade de conhecê-lo, pelo contrário: o que perdem é o interesse de passar dos limites das suas forças. Não desejando contrariar as leis, cumprem os seus deveres e esperam a sábia vontade dAquele que tudo conhece pela onisciência dos seus valores.

A magnitude de Deus ofusca todas as luzes e a sua bondade inspira todas as bondades do universo; o seu amor alimenta todo o amor da criação e o seu trabalho é o exemplo que deveremos operar constantemente. É muito bom falar de Deus, pensar em Deus e, se for o caso, escrever sobre Deus, porque é neste ambiente que passamos a conhecê-lo melhor e respeitá-lo condignamente. Enquanto assim agimos, estamos condicionando ideias elevadas acerca da sua inconfundível personalidade. Este exercício é de alto valor para a nossa integração com a Divindade, pois se processa uma operação de seleção de valores nas nossas intimidades, como no íntimo de quem, porventura, nos ouvir ou ler. É tempo que o próprio tempo aperfeiçoará nas bênçãos do Comandante Maior.

Uma coisa falamos com muita alegria: que as sementes dos atributos do Criador se encontram plantadas nas nossas consciências, na profundidade do nosso ser e, se assim podemos dizer, a força do progresso se encarregará de despertá-las para a luz e fazê-las crescerem para a fonte de onde vieram.

Ninguém foge desses caminhos delineados pela Grande Vida. A área da nossa liberdade é muito pequena para sabermos o de que verdadeiramente precisamos; tudo obedece à vontade dAquele que nos criou, tudo vem dEle e vai para o seu seio fecundo e celestial.

Quem deseja analisar a capacidade de Deus, que observe a sua criação, a harmonia e a mecânica do Universo. Tudo é luz na sua feição divina, mesmo o que pensamos ser treva, por nos faltarem dons desenvolvidos na busca da intimidade das coisas.

Oh! Homens que caminhais conosco, se quereis viver felizes, deixai despertar as luzes que existem em vossos corações, na conjuntura das vossas forças, agradecendo à Divindade e tomando as mãos do Cristo, que Ele vos libertará!

Sejamos fortes na educação de nós mesmos todos os dias, porque é na persistência do trabalho e no esforço do dever, que beijamos as flores da sabedoria como se fossem a face do Criador, nos dignando para um novo amanhecer.

MAIA, J. N.; MIRAMEZ (Espírito). Filosofia Espírita. V. I, cap. 13

Um Modo de Entender: Uma Nova Forma de Viver, Francisco Espírito Santo Neto, Hammed (Espírito), Capítulo 22 - A Rede da Vida

UM MODO DE ENTENDER – UMA NOVA FORMA DE VIVER

CAPÍTULO 22 - A REDE DA VIDA

Pois nele aprouve Deus fazer habitar toda a plenitude e reconciliar por ele e para ele todos os seres, os da terra e os dos céus. (Colossenses 1:19 e 20)

Um relógio de corda constitui um sistema integrado por um conjunto de peças. A remoção de qualquer uma dessas peças pode ocasionar desequilíbrio ou paralisação.

Assim, também, nós fazemos parte de um sistema integrado – nós, os outros e o universo, ou seja, as criaturas e as criações representam parcelas de um  todo.

Tudo está integrado em tudo: as águas necessitam das plantas e vice-versa; os animais, das florestas; e a criatura humana se agrega a esse elo ecológico, não de forma essencial, mas como fração integradora.

Quando morrem rios e lagos, também morremos um pouco. Quando se destrói uma floresta, se destrói igualmente uma parte de nós.

Ao estudarmos ecologia, verificamos que os ecossistemas – sistemas de abrangem os seres vivos e os ambientes, com suas propriedades químico-físicas e suas trocas incessantes – nos falam da interdependência em que vivemos (tudo o que existe está ligado entre si por recíproca dependência).

Por analogia, podemos dizer que, espiritualmente, todos nós estamos unidos em uma “rede divina”, ou plano celeste, cujas finalidades transcendem momentaneamente a compreensão humana.

Somos como um relógio de cordas, integramos essa maravilhosa engrenagem, somos “peças importantes” no mecanismo da Vida Excelsa; interdependentes, promovemos nosso crescimento por meio do auxílio mútuo para, juntos, chegarmos à unidade absoluta de Deus.

“Tudo em a Natureza se encadeia por elos que ainda não podeis apreender. Assim, as coisas aparentemente mais díspares têm pontos de contato que o homem, no seu estado atual, nunca chegará a compreender.” (LE 604)

Pois nele aprouve Deus fazer habitar toda a plenitude e reconciliar por ele e para ele todos os seres, os da terra e os dos céus.

Reside em Cristo a missão de reconciliar, de religar, de unir o que está separado, porquanto nele habita a “Plenitude”, quer dizer, estado ou característica daquele que reconhece a totalidade da vida dentro e fora de si, com toda a sua validade, equilíbrio e proporção harmoniosa.

Na romagem do tempo, percorremos a rota multimilenária do processo evolutivo do ser; somos todos irmãos, desde as criações dos reinos mineral, vegetal e animal até as almas iluminadas que povoam os planos sublimes.

Do átomo ao anjo, somos elos de uma extraordinária cadeia, cuja causa e efeito é Deus – o Poder Glorioso do Universo. Por força da lei superior, todas as consciências transitam em fluxo incessante pelos dois universos (o físico e o espiritual), conectadas entre si e com a Consciência Cósmica.

ESPÍRITO SANTO NETO, F.; HAMMED (Espírito). A Rede da Vida. In: Um Modo de Entender: Uma Nova Forma de Viver. Cap. 22

sexta-feira, 17 de agosto de 2018

O Grande Enigma, Léon Denis, Capítulo III - Solidariedade - Comunhão Universal

O GRANDE ENIGMA

CAPÍTULO III - SOLIDARIEDADE - COMUNHÃO UNIVERSAL

Deus é o espírito de sabedoria, de amor e de vida, o poder infinito que governa o mundo. O homem é finito, mas tem a intuição do infinito. O princípio espiritual que traz em si incita-o a perscrutar problemas que ultrapassam os limites atuais de seu entendimento. Seu espírito, prisioneiro na carne, dele se desliga, às vezes, e eleva-se aos domínios superiores do pensamento, de onde lhe vêm estas elevadas aspirações, muito frequentemente seguidas de recaídas na matéria. Daí tantas pesquisas, ensaios e erros, a tal ponto que seria impossível distinguir a verdade no amontoado dos sistemas e das superstições que o trabalho das eras acumularam, se as potências invisíveis não viessem iluminar nesse caos.

Cada alma é irradiação da grande alma universal, uma centelha emanada do foco eterno. Nós, porém, ignoramos a nós mesmos, e esta ignorância é a causa de nossa fraqueza e de todos os nossos males.

Estamos unidos a Deus na relação estreita que liga a causa ao efeito, e somos tão necessários à sua existência quanto ele é necessário à nossa. Deus, Espírito Universal, manifesta-se na Natureza, e o homem é, na Terra, a mais elevada expressão da Natureza. Somos a obra e a expressão de Deus, que é a fonte do bem. Mas esse bem, nós o possuímos somente em estado de gérmen, e nossa tarefa é de desenvolvê-lo. Nossas vidas sucessivas, nossa ascensão na espiral infinita das existências, não têm outro objetivo.

Tudo está escrito no fundo da alma em caracteres misteriosos: o passado, de onde emergimos e que devemos aprender a sondar; o futuro, para o qual evoluímos, futuro que edificaremos nós próprios como um monumento maravilhoso, feito de pensamentos elevados, de nobres ações, de devotamentos e de sacrifícios.

A obra que a cada um de nós cabe realizar resume-se em três palavras: saber, crer, querer; quer dizer: saber que temos em nós recursos incalculáveis; crer na eficácia de nossa ação sobre os dois mundos, o da matéria e o do espírito; querer o bem dirigindo nossos pensamentos para o que é belo e grande, conformando nossas ações às leis eternas do trabalho, da justiça e do amor.

Saídas de Deus, todas as almas são irmãs; todos os filhos da raça humana estão unidos através de laços estreitos de fraternidade e solidariedade. Assim, os progressos de um de nós são sentidos por todos, assim como o rebaixamento de um único afeta o conjunto.

Da paternidade de Deus decorre a fraternidade humana; todas as relações que nos unem, prendem-se a este fato. Deus, pai das almas, deve ser considerado como o Ser consciente por excelência, e não, como uma abstração. Mas aqueles que possuem uma consciência reta e estão esclarecidos por um raio do Alto, reconhecem Deus e o servem na Humanidade que é sua filha e sua obra.

Quando o homem chegou ao conhecimento de sua verdadeira natureza e de sua unidade com Deus, quando essa noção entrou em sua razão e no seu coração, ele se elevou até a verdade suprema; ele domina do Alto as vicissitudes terrestres; encontrou a força que “soergue as montanhas”, que o torna vencedor na luta contra as paixões, faz menosprezar as decepções e a morte. Ele efetuou o que o vulgo chama prodígios. Pela sua vontade, pela sua fé, ele submete, governa a substância; ele rompe as fatalidades da matéria; torna-se quase um deus para os outros homens. Vários, em suas passagens neste mundo, chegaram a essas elevações de vistas; apenas o Cristo disso compenetrou-se, ao ponto de ousar dizer à face de todos: “Eu e meu Pai somos um; ele está em mim e eu estou nele”.

Essas palavras não se aplicavam, todavia, apenas a ele; elas são verdadeiras para a Humanidade inteira. O Cristo sabia que todo homem deve chegar à compreensão de sua natureza íntima, e é nesse sentido que ele dizia aos seus discípulos: “Vós sois todos deuses”.16 Ele poderia ter acrescentado: deuses em processo!

É a ignorância da nossa própria natureza e das forças divinas que dormem em nós, é a ideia insuficiente que fazemos de nosso papel e das leis do destino, que nos submetem às influências inferiores, ao que nós chamamos o mal. Na realidade, trata-se aí apenas da falta de desenvolvimento. O estado de ignorância não é um mal em si mesmo; é apenas uma das formas, uma das condições necessárias da lei de evolução. Nossa inteligência não está madura; nossa razão, criança, tropeça nos acidentes do caminho; daí o erro, as falhas, as provas, a dor. Mas todas essas coisas serão um bem, se as considerarmos como tantos meios de educação e de elevação. A alma deve atravessá-las para chegar à concepção das verdades superiores, à posse da parte de glória e de luz que fará dela uma eleita do céu, uma expressão perfeita do Poder e do Amor infinitos. Cada ser possui os rudimentos de uma inteligência que atingirá o gênio, e ele tem a imensidade dos tempos para desenvolvê-la. Cada vida terrestre é uma escola, a escola primária da eternidade.

Na lenta ascensão que conduz o ser para Deus, o que buscamos antes de tudo, é a felicidade, a ventura. Entretanto, no seu estado de ignorância, o homem não saberia atingir esses bens, pois ele os procura quase sempre onde eles não estão, na região das miragens e das quimeras, e isso por meio de processos cuja falsidade não lhe aparece senão após muitas decepções e sofrimentos. São esses sofrimentos que nos esclarecem; nossas dores são lições austeras; elas nos ensinam que a verdadeira felicidade não está nas coisas da matéria, passageiras e mutáveis, mas na perfeição moral. Nossos erros e nossas faltas repetidas, as fatais consequências que arrastam, terminam por nos dar a experiência, e esta nos conduz à sabedoria, quer dizer, ao conhecimento inato, à intuição da verdade. Tendo chegado a esse terreno sólido, o homem sentirá o laço que o une a Deus e ele avançará com um passo mais seguro, de etapas em etapas, para a grande luz que não se apaga jamais.

*
* *

Todos os seres estão ligados uns aos outros e se influenciam reciprocamente. O Universo inteiro está submetido à lei da solidariedade.

Os mundos perdidos nas profundezas do éter, os astros que, entrecruzam seus raios prateados, conhecem-se e se respondem. Uma força a que nós nomeamos atração os une através dos abismos do Espaço.

Assim, na escala da vida, todas as almas estão unidas por relações múltiplas. A solidariedade que as une está fundamentada na identidade de sua natureza, na igualdade de seus sofrimentos através dos tempos, na similitude de seus destinos e de seus fins.

Como os astros dos céus, todas essas almas se atraem. A matéria exerce sobre o espírito seus poderes misteriosos. Assim como Prometeu17 sobre sua rocha, ela o acorrenta aos mundos obscuros. A alma humana sente todas as atrações da vida inferior; ao mesmo tempo, percebe o apelo da vida elevada.

Nessa laboriosa e penosa evolução que arrasta os seres, há um fato consolador sobre o qual é bom insistir: é que em todos os graus de sua ascensão, a alma é atraída, auxiliada, socorrida pelas Entidades Superiores. Todos os espíritos em marcha são ajudados pelos seus irmãos mais adiantados e devem auxiliar, por sua vez, aqueles que estão colocados abaixo deles.

Cada individualidade forma como um anel da grande corrente dos seres. A solidariedade que os une pode bem restringir um pouco a liberdade de cada um deles, mas se essa liberdade é limitada em extensão, ela não o é em intensidade. Por mais limitada que seja a ação do anel, um só de seus impulsos pode agitar toda a corrente.

É uma coisa maravilhosa essa fecundação constante do mundo inferior pelo mundo superior. Daí vem todas as intuições geniais, as inspirações profundas, as revelações grandiosas. Em todos os tempos, o pensamento elevado irradiou no cérebro humano. Deus, na sua equidade, não recusou seu socorro nem sua luz a nenhuma raça, a nenhum povo. Enviou a todos guias, missionários, profetas. A verdade é uma e eterna; penetra na Humanidade através de irradiações sucessivas, à medida que nosso entendimento se torna mais apto para assimilá-la.

Cada nova revelação é uma continuação da antiga. Aí está o caráter do Espiritualismo Moderno, que traz um ensinamento, um conhecimento mais completo do papel do ser humano, uma revelação dos poderes nele ocultos e também de suas relações íntimas com o pensamento superior e divino.

O homem, espírito encarnado, esquecera seu verdadeiro papel. Sepultado na matéria, ele perdia de vista os grandes horizontes de seu destino; ele desdenhava os meios de desenvolver seus recursos latentes, de se tornar mais feliz, tornando-se melhor. A nova revelação vem lembrar-lhe todas essas coisas. Ela vem sacudir as almas adormecidas, estimular sua marcha, provocar sua elevação. Ela clareia os recantos obscuros de nosso ser, nos fala de nossas origens e de nossos fins, explica-nos o passado pelo presente e nos abre um porvir que estamos livres para fazer grande ou miserável, conforme nossos atos.

*
* *

A alma humana não pode, realmente, progredir senão na vida coletiva, trabalhando em proveito de todos. Uma das consequências dessa solidariedade que nos liga, é que a visão dos sofrimentos de uns perturba e altera a serenidade dos outros.

Também é a preocupação constante dos espíritos elevados, de ir levar às regiões sombrias, às almas atrasadas nos caminhos da paixão e do erro, as irradiações do seu pensamento e os impulsos de seu amor. Nenhuma alma pode se perder; se todas sofreram, todas serão salvas. No meio de suas provações dolorosas, a piedade e a afeição de suas irmãs as abraçam e as arrastam para Deus.

Como compreender, com efeito, que os espíritos radiosos possam esquecer aqueles que amaram outrora, aqueles que partilharam suas alegrias, seus cuidados e ainda sofrem nas sendas terrestres? O lamento daqueles que sofrem, daqueles que o destino ainda arrasta para os mundos atrasados, chega até eles e suscita sua compaixão generosa. Quando um desses apelos atravessa o Espaço, eles deixam as moradas etéreas para derramar os tesouros de sua caridade nos campos dos mundos materiais. Como as vibrações da luz, os impulsos de seu amor se propagam na imensidão, levando a consolação aos corações entristecidos, derramando sobre as chagas humanas o bálsamo da esperança.

Às vezes, também, durante o sono, as almas terrestres, atraídas pelas suas irmãs mais velhas, lançam-se com força para as alturas do Espaço para impregnar-se dos fluidos vivificantes da pátria eterna. Ali, espíritos amigos as cercam, as exortam, as reconfortam, acalmam suas angústias; depois, apagando pouco a pouco a luz em torno de si, a fim de que as recordações pungentes da separação não as oprima, eles as reconduzem às fronteiras dos mundos inferiores. Seu despertar é melancólico, porém suave; e, embora esquecidas de sua estada passageira nas regiões elevadas, elas se sentem reconfortadas e retomam mais alegremente as cargas de sua existência neste mundo.

*
* *

Nas almas evoluídas, o sentimento da solidariedade torna-se bastante intenso para se transformar em comunhão perpétua com todos os seres e com Deus.

A alma pura comunga com a Natureza inteira; ela se embriaga com os esplendores da obra infinita. Tudo: os astros do céu, as flores do prado, a canção do riacho, a variedade das paisagens terrestres, os horizontes longínquos do mar, a serenidade dos Espaços, tudo lhe fala uma linguagem harmoniosa. Em todas essas coisas visíveis, a alma atenta descobre uma manifestação do pensamento invisível que anima o Cosmo. Este reveste para ela um aspecto surpreendente. Torna-se o teatro da vida e da comunhão universais, comunhão dos seres uns com os outros e de todos os seres com Deus, seu Pai.

Não há distância para as almas que se simpatizam. Assim como os mundos trocam suas irradiações através das profundezas estreladas, as almas que se amam se comunicam em conjunto através do pensamento. O Universo é animado por uma vida poderosa; vibra como uma harpa sob a ação divina. As irradiações do pensamento o percorrem em todos os sentidos; transmitem as mensagens do espírito ao espírito através da vasta imensidão. Esse Universo que Deus povoou com inteligências, a fim de que elas o conheçam, o amem e cumpram a sua lei, ele o preenche com sua presença, ilumina-o com sua luz e o aquece com o seu amor.

A prece é a expressão mais elevada dessa comunhão das almas. Considerada sob esse aspecto, ela perde toda a analogia com as fórmulas banais, os recitativos monótonos em uso, para se tornar um impulso do coração, um ato da vontade pelo qual o espírito desvencilha-se das servidões da matéria, das vulgaridades terrestres para penetrar nas leis, nos mistérios da Potência Infinita e a ela se submete em todas as coisas: “Pedi e recebereis”! Tomada neste sentido, a prece é o ato mais importante da vida; é a aspiração ardente do ser humano que sente sua pequenez e sua miséria, e procura, nem que seja por um instante, colocar as vibrações do seu pensamento em harmonia com a eterna sinfonia. É a obra da meditação que, no recolhimento e no silêncio, eleva a alma até essas alturas celestes onde ela se acresce de forças, impregna-se das irradiações da luz e do amor divinos. Mas quão poucos sabem orar! As religiões nos fizeram desaprender a prece, transformando-a em exercício ocioso, às vezes, ridículo.

Sob a influência do Novo Espiritualismo, a prece tornar-se-á mais nobre e mais digna; será feita com mais respeito para com a Potência Suprema, com mais fé, confiança e sinceridade, num completo desligamento das coisas materiais. Todas as nossas ansiedades e as nossas incertezas cessarão quando tivermos compreendido que a vida é uma comunhão universal, e que Deus e todos os seus filhos vivem essa vida em conjunto. Então, a prece se tornará a linguagem de todos, a irradiação da alma que, nos seus impulsos, abala o dinamismo espiritual e divino. Seus benefícios se estenderão sobre todos os seres e, particularmente, sobre aqueles que sofrem, sobre os ignorados da Terra e do Espaço. Ela irá até aqueles em quem ninguém pensa e que jazem na sombra, na tristeza e no esquecimento, diante de um passado acusador. Ela despertará neles novas aspirações; fortificará seu coração e seu pensamento. Pois a ação da prece não tem limites, não mais do que as forças e os poderes que ela põe em movimento para o bem dos outros.

A prece, é verdade, nada pode modificar nas leis imutáveis, ela não poderia, de forma alguma, modificar nossos destinos; seu papel é o de nos proporcionar socorros e luzes que nos tornem mais fácil a execução de nossa tarefa terrestre. A prece fervorosa escancara as portas da alma e, através dessas aberturas, os raios de força, as irradiações do foco eterno penetram em nós e nos vivificam.

Trabalhar com um sentimento elevado, perseguindo um objetivo útil e generoso, ainda é orar. O trabalho é a prece ativa desses milhões de homens que lutam e penam na Terra, em proveito da Humanidade.

A vida do homem de bem é uma prece contínua, uma comunhão perpétua com seus semelhantes e com Deus. Ele não precisa mais de palavras nem de formas exteriores para exprimir sua fé: ela se exprime através de todos os seus atos e de todos os seus pensamentos. Ele respira, ele se movimenta sem-esforço, numa atmosfera fluídica pura, cheio de ternura para com os infelizes, cheio de bem querer para com toda a Humanidade. Esta comunhão constante torna-se para ele uma necessidade, uma segunda natureza. É graças a ela que todos os espíritos eleitos se mantêm nas alturas sublimes da inspiração e do gênio.

Os que vivem uma vida egoística e material, cuja compreensão não está aberta às influências do Alto, estes não podem saber que impressões indizíveis proporciona essa comunhão da alma com o divino.

É ela, essa união estreita de nossas vontades com a Vontade Suprema, que devem se esforçar para realizar todos aqueles que, vendo a espécie humana deslizar nas vertentes da decadência moral, procuram os meios de deter sua queda. Não há ascensão possível, não há arrastamento para o bem se, de tempos em tempos, o homem não se voltar para o seu Criador e seu Pai, para expor-lhe suas fraquezas, suas incertezas, suas misérias, para pedir-lhe os socorros espirituais indispensáveis à sua elevação. E quanto mais essa confissão, mais essa comunhão íntima com Deus for frequente, sincera, profunda, mais a alma se purifica e se emenda. Sob o olhar de Deus, ela examina, expõe suas intenções, seus sentimentos, seus desejos; passa em revista todos os seus atos e, com essa intuição que lhe vem do Alto, julga o que é bom ou mau, o que é preciso destruir ou cultivar. Compreende, então, que tudo o que vem do “eu” deve ser rebaixado para dar lugar à abnegação, ao altruísmo; que, no sacrifício de si mesmo, o ser encontra o mais poderoso meio de elevação, porque quanto mais ele se doa, mais ele cresce. Deste sacrifício, faz a lei de sua vida, lei que ela imprime no mais profundo do seu ser em traços de luz para que todas as suas ações sejam marcadas pela sua empreitada.

*
* *

De pé sobre a Terra, meu sustentáculo, minha nutriz e minha mãe, elevo o meu olhar para o Infinito, sinto-me envolvido na imensa comunhão da vida; os eflúvios da Alma Universal penetram em mim e fazem vibrar meu pensamento e meu coração; forças poderosas me sustentam, avivam em mim a existência. Por toda a parte onde minha vista se estende, por toda a parte onde minha inteligência alcança, vejo, distingo, contemplo a grande harmonia que rege os seres e, através de caminhos diversos, guia-os para um objetivo único e sublime. Por toda a parte, vejo irradiar a Bondade, o Amor, a Justiça!

Ó meu Deus! Ó meu Pai! fonte de toda a sabedoria e de todo o amor, espírito supremo cujo nome é Luz, ofereço-te minhas louvações e minhas aspirações! Que elas subam a ti como perfume de flores, como os odores inebriantes dos bosques sobem para o céu. Ajuda-me a avançar no caminho sagrado do conhecimento, para uma compreensão mais elevada de tuas leis, a fim de que se desenvolva em mim mais simpatia, mais amor pela grande família humana. Pois sei que através do meu aperfeiçoamento moral, através da realização, da aplicação ativa em torno de mim e em proveito de todos, da caridade e da bondade, aproximar-me-ei de ti e merecerei conhecer-te melhor, comunicar-me mais intimamente contigo na grande harmonia dos seres e das coisas. Ajuda-me a libertar-me da vida material, a compreender, a sentir o que é a vida superior, a vida infinita. Dissipa a escuridão que me envolve; deposita em minha alma uma centelha desse fogo divino que reaquece e abrasa os espíritos das esferas celestes. Que tua luz suave e, com ela, os sentimentos de concórdia e de paz se espalhem sobre todos os seres!

16 João, 10:34. (N.A.)

17 Prometeu: (da mitologia grega) deus ou gênio do Fogo, filho do Titã Japet e irmão de Atlas. Segundo a mitologia clássica é o iniciador da primeira civilização humana. Após ter criado o homem do limo da terra, roubou o fogo do céu para poder animá-lo. Por isso, foi punido por Zeus, sendo acorrentado no Cáucaso, onde uma águia vinha devorar-lhe o fígado que sempre se renovava. (N.T.)

DENIS, L. Solidariedade; comunhão universal. In: O Grande Enigma, cap. 3

quarta-feira, 15 de agosto de 2018

Nos Domínios da Mediunidade, Chico Xavier, André Luiz (Espírito), Capítulo 1 - Estudando a Mediunidade

NOS DOMÍNIOS DA MEDIUNIDADE

CAPÍTULO 1 – ESTUDANDO A MEDIUNIDADE

Indubitavelmente – concordava o Assistente Áulus – a mediunidade é problema dos mais sugestivos na atualidade do mundo. Aproxima-se o homem terreno da Era do Espírito, sob a luz da Religião Cósmica do Amor e da Sabedoria e, decerto, precisa de cooperação, a fim de que se lhe habilite o entendimento.

O orientador, de feição nobre e simpática, recebera-nos, a pedido de Clarêncio, para um curso rápido de ciências mediúnicas.

Especializara-se em trabalhos dessa natureza, consagrando-lhes muitos anos de abnegação. Era, por isso, dentre as relações do Ministro, que se nos fizera patrono e condutor, um dos companheiros mais competentes no assunto.

Áulus nos acolhera com afabilidade e doçura.

Relacionando aflitivas questões da Humanidade Terrestre, pousava em nós o olhar firme e lúcido, não apenas com o interesse do irmão mais velho, mas também com a afetividade de um pai enternecido.

Hilário e eu não conseguíamos disfarçar a admiração.

Era um privilégio ouvi-lo discorrer sobre o tema que nos trazia até ali.

Aliavam-se nele substanciosa riqueza cultural e o mais entranhado patrimônio de amor, causando-nos satisfação o vê-lo reportar-se às necessidades humanas, com o carinho do médico benevolente e sábio que desce à condição de enfermeiro para a alegria de ajudar e salvar.

Interessava-se pelas experimentações mediúnicas, desde 1779, quando conhecera Mesmer, em Paris, no estudo das célebres proposições lançadas a público pelo famoso magnetizador. Reencarnando no início do século passado, apreciara, de perto, as realizações de Allan Kardec, na codificação do Espiritismo, e privara com Cahagnet e Balzac, com Théophile Gautier e Victor Hugo, acabando seus dias na França, depois de vários decênios consagrados à mediunidade e ao magnetismo, nos moldes científicos da Europa. No mundo espiritual prosseguiu no mesmo rumo, observando e trabalhando em seu apostolado educativo. Dedicando-se agora a obra de espiritualização no Brasil, e isto há mais de trinta anos, comentava, otimista, as esperanças do novo campo de ação, dando-nos a conhecer a primorosa bagagem de memórias e experiências de que se fazia portador.

Maravilhados ao ouvi-lo, mal lhe respondíamos a essa ou àquela indagação.

– Conhecíamos, sim – informamos, respeitosos, em dado momento –, alguns aspectos do intercâmbio espiritual; todavia, o nosso desejo era amealhar mais amplas noções do assunto,  com a simplicidade possível. Em outras ocasiões, estudáramos ao de leve alguns fenômenos de psicografia, incorporação e materialização, no entanto, era isso muito pouco, à face dos múltiplos serviços que a mediunidade encerra em si mesma.

O anfitrião, afável, aquiesceu em elucidar-nos.

Colaborava em diversos setores de trabalho e prodigalizar-nos-ia aquilo que considerava, com humildade, como sendo “alguns apontamentos”.

Para começar, convidou-nos a ouvir um amigo que falaria sobre mediunidade a pequeno grupo de aprendizes encarnados e desencarnados, e em cuja palavra reconhecia oportunidade e valor.

Não nos fizemos de rogados ante a obsequiosa lembrança.

E, porque não havia tempo a perder, seguimo-lo, prestamente.

Em vasto recinto do Ministério das Comunicações, fomos apresentados ao Instrutor Albério, que se dispunha a iniciar a palestra.

Tomamos lugar entre as dezenas de companheiros que o seguiam, atentos, em muda expectação.

Como tantos outros orientadores que eu conhecia, Albério assomou à tribuna, sem cerimônia, qual se nos fora simples irmão, conversando conosco em tom fraternal.

– Meus amigos – falou, com segurança –, dando continuidade aos nossos estudos anteriores, precisamos considerar que a mente permanece na base de todos os fenômenos mediúnicos.

Não ignoramos que o Universo, a estender-se no Infinito, por milhões e milhões de sóis, é a exteriorização do Pensamento Divino, de cuja essência partilhamos, em nossa condição de raios conscientes da Eterna Sabedoria, dentro do limite de nossa evolução espiritual.

Da superestrutura dos astros à infra-estrutura subatômica, tudo está mergulhado na substância viva da Mente de Deus, como os peixes e as plantas da água estão contidos no oceano imenso.

Filhos do Criador, dEle herdamos a faculdade de criar e desenvolver, nutrir e transformar.

Naturalmente circunscritos nas dimensões conceptuais em que nos encontramos, embora na insignificância de nossa posição comparada à glória dos Espíritos que já atingiram a angelitude, podemos arrojar de nós a energia atuante do próprio pensamento, estabelecendo, em torno de nossa individualidade, o ambiente psíquico que nos é particular.

Cada mundo possui o campo de tensão eletromagnética que lhe é próprio, no teor de força gravítica em que se equilibra, e cada alma se envolve no circulo de forças vivas que lhe transpiram do “hálito” mental, na esfera de criaturas a que se imana, em obediência às suas necessidades de ajuste ou crescimento para a imortalidade.

Cada planeta revoluciona na órbita que lhe é assinalada pelas leis do equilíbrio, sem ultrapassar as linhas de gravitação que lhe dizem respeito, e cada consciência evolve no grupo espiritual a cuja movimentação se subordina.

Somos, pois, vastíssimo conjunto de Inteligências, sintonizadas no mesmo padrão vibratório de percepção, integrando um Todo, constituído de alguns bilhões de seres, que formam por assim dizer a Humanidade Terrestre.

Compondo, assim, apenas humilde família, no infinito concerto da vida cósmica, em que cada mundo guarda somente determinada família da Humanidade Universal, conhecemos, por enquanto, simplesmente as expressões da vida que nos fala mais de perto, limitados ao degrau de conhecimento que já escalamos.

Dependendo dos nossos semelhantes, em nossa trajetória para a vanguarda evolutiva, à maneira dos mundos que se deslocam no Espaço, influenciados pelos astros que os cercam, agimos e reagimos uns sobre os outros, através da energia mental em que nos renovamos constantemente, criando, alimentando e destruindo formas e situações, paisagens e coisas, na estruturação dos nossos destinos.

Nossa mente é, dessarte, um núcleo de forças inteligentes, gerando plasma sutil que, a exteriorizar-se incessantemente de nós, oferece recursos de objetividade às figuras de nossa imaginação, sob o comando de nossos próprios desígnios.

A ideia é um “ser” organizado por nosso espírito, a que o pensamento dá forma e ao qual a vontade imprime movimento e direção.

Do conjunto de nossas ideias resulta a nossa própria existência.

O orador fez pequeno intervalo que ninguém ousou interromper e prosseguiu comentando:

– Segundo é fácil de concluir, todos os seres vivos respiram na onda de psiquismo dinâmico que lhes é peculiar, dentro das dimensões que lhes são características ou na frequência que lhes é própria. Esse psiquismo independe dos centros nervosos, de vez que, fluindo da mente, é ele que condiciona todos os fenômenos da vida orgânica em si mesma.

Examinando, pois, os valores anímicos como faculdades de comunicação entre os Espíritos, qualquer que seja o plano em que se encontrem, não podemos perder de vista o mundo mental do agente e do recipiente, porquanto, em qualquer posição mediúnica, a inteligência receptiva está sujeita às possibilidades e à coloração dos pensamentos em que vive, e a inteligência emissora jaz submetida aos limites e às interpretações dos pensamentos que é capaz de produzir.

Um hotentote desencarnado, em se comunicando com um sábio terrestre, ainda jungido ao envoltório físico, não lhe poderá oferecer noticias outras, além dos assuntos triviais em que se lhe desdobraram no mundo as experiências primitivistas, e um sábio, sem o indumento carnal, entrando em relação com o hotentote, ainda colado ao seu “habitat” africano, não conseguirá facultar-lhe cooperação imediata, senão no trabalho embrionário em que se lhe encravam os interesses mentais, como sejam o auxilio a um rebanho bovino ou a cura de males do corpo denso. Por isso mesmo, o hotentote não se sentiria feliz na companhia do sábio e o sábio, a seu turno, não se demoraria com o hotentote, por falta desse alimento quase imponderável a que podemos chamar vibrações compensadas.

É da Lei, que nossas maiores alegrias sejam recolhidas ao contato daqueles que, em nos compreendendo, permutam conosco valores mentais de qualidades idênticas aos nossos, assim como as árvores oferecem maior coeficiente de produção se colocadas entre companheiras da mesma espécie, com as quais trocam seus princípios germinativos.

Em mediunidade, portanto, não podemos olvidar o problema da sintonia.

Atraímos os Espíritos que se afinam conosco, tanto quanto somos por eles atraídos; e se é verdade que cada um de nós somente pode dar conforme o que tem, é indiscutível que cada um recebe de acordo com aquilo que dá.

Achando-se a mente na base de todas as manifestações mediúnicas, quaisquer que sejam os característicos em que se expressem, é imprescindível enriquecer o pensamento, incorporando-lhe os tesouros morais e culturais, os únicos que nos possibilitam fixar a luz que jorra para nós, das Esferas Mais Altas, através dos gênios da sabedoria e do amor que supervisionam nossas experiências.

Procederam acertadamente aqueles que compararam nosso mundo mental a um espelho.

Refletimos as imagens que nos cercam e arremessamos na direção dos outros as imagens que criamos.

E, como não podemos fugir ao imperativo da atração, somente retrataremos a claridade e a beleza, se instalarmos a beleza e a claridade no espelho de nossa vida íntima.

Os reflexos mentais, segundo a sua natureza, favorecem-nos a estagnação ou nos impulsionam a jornada para a frente, porque cada criatura humana vive no céu ou no inferno que edificou para si mesma, nas reentrâncias do coração e da consciência, independentemente do corpo físico, porque, observando a vida em sua essência de eternidade gloriosa, a morte vale apenas como transição entre dois tipos da mesma experiência, no “hoje imperecível”.

Vemos a mediunidade em todos os tempos e em todos os lugares da massa humana.

Missões santificantes e guerras destruidoras, tarefas nobres e obsessões pérfidas, guardam origem nos reflexos da mente individual ou coletiva, combinados com as forças sublimadas ou degradantes dos pensamentos de que se nutrem.

Saibamos, assim, cultivar a educação, aprimorando-nos cada dia.

Médiuns somos todos nós, nas linhas de atividade em que nos situamos.

A força psíquica, nesse ou naquele teor de expressão, é peculiar a todos os seres, mas não existe aperfeiçoamento mediúnico sem acrisolamento da individualidade.

É contraproducente intensificar a movimentação da energia sem disciplinar-lhe os impulsos.

É perigoso possuir sem saber usar.

O espelho sepultado na lama não reflete o esplendor do Sol.

O lago agitado não retrata a imagem da estrela que jaz no infinito.

Elevemos nosso padrão de conhecimento pelo estudo bem conduzido e apuremos a qualidade de nossa emoção pelo exercício constante das virtudes superiores, se nos propomos recolher a mensagem das Grandes Almas.

Mediunidade não basta só por si.

É imprescindível saber que tipo de onda mental assimilamos para conhecer da qualidade de nosso trabalho e ajuizar de nossa direção.

Albério prosseguiu ainda em seus valiosos comentários e, mais tarde, passou a responder a complicadas perguntas que lhe eram desfechadas por diversos aprendizes. Por minha vez recolhera largo material de meditação e, em razão disso, em companhia de Hilário, despedi-me dos instrutores com alguns monossílabos de agradecimento, ouvindo de Áulus a promessa de reencontro para o dia seguinte.

XAVIER, F. C.; ANDRÉ LUIZ (Espírito). Estudando a Mediunidade. In: Nos Domínios da Mediunidade, cap. 1

domingo, 12 de agosto de 2018

A Grande Síntese, Pietro Ubaldi, Capítulo 6 - Monismo

A GRANDE SÍNTESE

CAPÍTULO 6 - MONISMO

Aproximemo-nos ainda mais da questão a ser desenvolvida. Eram indispensáveis essas premissas para vos conduzir até aqui. Observai meu modo de proceder ao expor meu pensamento. Avanço seguindo uma espiral que gradualmente aperta suas volutas concêntricas e, se passo de novo pela mesma ordem de ideias, toco o raio que parte do centro num ponto cada vez mais próximo dele. Guio vosso pensamento para esse centro. Nesta exposição parto da periferia e vou para o interior; da matéria, que é a realidade de vossos sentidos, para o espírito, que contém uma realidade mais verdadeira e mais elevada; vou da superfície ao âmago, da multiplicidade fenomênica ao Princípio único que a rege. Por isso denominei este tratado de A Grande Síntese. 

Estou no outro pólo do ser, no extremo oposto àquele em que estais; vós, seres racionais, sois análise; eu, intuitivo (contemplação, visão), sou síntese. Mas desço agora à vossa psicologia racional de análise, tomo-a como ponto de partida, a fim de levar-vos à síntese como ponto de chegada. Parto da forma para explicar-vos o impulso obscuro e palpitante, o motor que a anima, tenazmente aprofundando o mistério. Penetro, sintetizo e aperto num monismo absoluto, os imensos pormenores do mundo fenomênico, incomensuravelmente vasto, se o multiplicais pelo infinito do tempo e do espaço; canalizo a multiplicidade dos efeitos — dos quais a ciência com imenso esforço vislumbrou algumas leis — nos caminhos convergentes que conduzem ao Princípio Único. Farei desse mundo que pode parecer caótico a vossas mentes, um organismo completo e perfeito. A complexidade que vos desanima será reconduzida e reduzida a um conceito central, único e simples, a uma lei única que dirige tudo. 

A isto podeis chamar de monismo. Atentai mais aos conceitos que às palavras. Por vezes a ciência acreditou ter descoberto e criado um conceito novo, só porque inventou uma palavra. E o conceito é este: como do politeísmo passastes ao monoteísmo, isto é, à fé num só Deus (mas sempre antropomórfico, pois realiza uma criação fora de si), agora passais ao monismo, isto é, ao conceito de um Deus que É a criação. Lede mais, antes de julgar. Farei que lampeje em vossas mentes um Deus ainda maior que tudo o que pudestes conceber. Do politeísmo, ao monoteísmo e ao monismo, dilata-se vossa concepção de Divindade. Este tratado, pois, é o hino de Sua glória. 

Sinto já esta síntese suprema num lampejo de luz e de alegria. Quero conduzir-vos, a vós também, a essa meta, por meio de estudo do funcionamento orgânico do Universo. Este Tratado vos aparecerá assim como uma progressão de conceitos, uma ascensão contínua por aproximações graduais e sucessivas. Poderá também parecer-vos uma viagem do espírito; é verdadeiramente a grande viagem da alma que regressa ao seu Princípio; da criatura que regressa a Seu Criador. Cada novo horizonte, que a razão e a ciência vos mostraram, era apenas uma janela aberta para um horizonte ainda mais longínquo, sem jamais atingir o fim; Eu, porém, indicar-vos-ei o último termo, que está no fundo de vós mesmos, onde a alma repousa. Subiremos das ramificações dos últimos efeitos, progredindo da periferia para o centro, ao tronco da Causa Primeira que se multiplicou nesses efeitos. 

A realidade, em vosso mundo, está fracionada por barreiras de espaço e de tempo; a unidade aparece como que pulverizada no particular; vemos o infinito fragmentar-se, dividir-se, corromper-se no finito, o eterno no caduco, o absoluto no relativo. Mas, percorreremos o caminho inverso a essa descida e reencontraremos aquele infinito, que jamais a razão poderia darvos, porque a análise humana não pode percorrer a série dos efeitos através de todo o espaço, por toda a eternidade, e não dispõe daquele infinito, pelo qual seria mister multiplicar o finito para obter a visão do Absoluto. 

A finalidade desta viagem é dar ao homem nova consciência cósmica. Uma consciência que o faça sentir-se não apenas indestrutível e eterno, membro de uma humanidade que abarca todos os seres do universo, mas também representa uma força e desempenha um papel importante no funcionamento orgânico do próprio universo. Viveis para conquistar uma consciência cada vez mais ampla. O homem, rei da vida no planeta Terra, conquistou uma consciência individual própria, que constitui prêmio e vitória. Agora está construindo outra mais vasta: a consciência coletiva que o organiza em unidades nacionais e se fundirá numa unidade espiritual ainda mais vasta, a humanidade. Eu, porém, lanço a semente de uma consciência universal, a única que vos pode dar a visão de todos os vossos deveres e direitos e poderá, perfeitamente, guiar todas as vossas ações, além de solucionar todos os vossos porquês. Partindo de vosso cognoscível científico humano, esse caminho também atingirá conclusões de ordem prática, individual e social. A exposição das leis da vida tem como objetivo ensinar-vos normas mais completas de comportamento. Sabendo olhar no abismo de vosso destino, sabereis agir cada vez com mais elevação. 

Eis traçada a estrada que percorreremos. E a seguiremos não apenas para saber, mas também para agir depois. Quando se fizer luz na mente, o coração se acenderá de paixão, para marchar seguindo a mente que viu. 

Ascensão é a ideia dominante. Deus é o centro. Este Tratado é mais que uma grande síntese científica e filosófica: é uma revolução introduzida em vosso sistema de pesquisa, nova direção dada ao pensamento humano, para que, após este impulso, possa canalizar novo caminho de conquistas; é uma revolução que não arrasa nem nega, implantando arbítrio e desordem, mas afirma e cria, guiando-vos a uma ordem e equilíbrio cada vez mais completo e complexo, para uma lei cada vez mais forte e mais justa. Pois bem, para ajudar a nascer em vós esta nova consciência que está por surgir à luz, para estimular esta vossa transformação que está iminente, imposta pela evolução, da fase humana à fase super-humana, eu vos ensino novo método de pesquisa, praticado por via da intuição. Indico-vos a possibilidade de nova ciência conquistada com o sistema dos místicos, no qual os fenômenos são penetrados por meio de nova sensibilidade, abrindo as portas da alma, além das dos sentidos, da alma da qual vos terei ensinado todos os recursos insuspeitados e meios de percepção direta. Desse modo, os fenômenos não serão mais vistos nem ouvidos, nem tocados por um Eu qualquer, mas sentidos por um ser que se transformou em delicadíssimo instrumento de percepção, porque sensitivamente evoluído, nervosamente refinado e, sobretudo, moralmente aperfeiçoado. Ciência nova, conduzida pelos caminhos do amor e da elevação espiritual, é a ciência do super-homem, que está para nascer e fundará a nova civilização do terceiro milênio. 

UBALDI, Pietro. Monismo. In: A Grande Síntese, cap. 6.