;
Este é um ambiente dedicado ao estudo da consciência em seus mais variados estágios de evolução e, principalmente, no estágio em que adquirimos a possibilidade de nos manifestar na forma humana. Por isso, decidimos dedicar nossa atual reencarnação para aprofundarmos o nosso autoconhecimento e ajudarmos outros irmãos que também necessitam de esclarecimento, e assim nos tornarmos cada vez mais conscientes de nós mesmos, de nossa bagagem evolutiva, adquirindo mais conhecimentos e experiências através dos quais possamos construir as “sinapses” capazes de nos “revelar” novas realidades, ou melhor, de nos revelar a verdadeira realidade, abandonando as ilusões a que estamos fixados por tanto tempo.
Temas para estudo e reflexão

Tags

A Clarividência e a Escrita Direta A Fé Que Transporta Montanhas A Gênese A Grande Síntese A Lei Divina ou Natural A Oração A Preocupação Com a Morte A Providência A Rede da Vida A Relevância do Passado Para o Presente A Vida A Visão de Deus A Vontade Ação dos Espíritos Sobre a Matéria Allan Kardec Alma do Mundo Alquimia da Mente Amai os Vossos Inimigos Amar o Próximo Como a Si Mesmo André Luiz Ano I - Abril de 1858 - Nº 1 Ano I - Janeiro de 1858 - Nº 1 Ante os Novos Tempos Antigos e Modernos Sistemas do Mundo As Causas Primárias As Escolas de Pensamento As Leis Morais As Potências da Alma As Qualidades de Deus Associação Autodescobrimento: Uma Busca Interior Autoridade da Doutrina Espírita Bases Científicas do Espiritismo Bases Para a Autorrealização Bem-Aventurados os Aflitos Bem-Aventurados os Mansos e Pacíficos Bem-Aventurados os Misericordiosos Bem-Aventurados os Pobres de Espírito Bem-Aventurados os Puros de Coração Biografia de Allan Kardec Camille Flammaron Caminho Verdade e Vida Caracteres da Revelação Espírita Células e Corpo Espiritual Centros de Força Cérebro e Mente Chico Xavier Circulação da Matéria Complexidades da Energia Concepções da História Científica Consciente e Inconsciente Considerações Sobre a Origem do Câncer Controle Universal do Ensino dos Espíritos Convite ao Bem Criação Da Natureza Divina Das Manifestações Espíritas Desobsessão Deus Deus na Natureza Diferentes Naturezas de Manifestações Divaldo Pereira Franco Dos Espíritos Doutrina das Penas Eternas Duane P.Schultz & Sydney Ellen Schultz EADE - Antecedentes do Cristianismo EADE - Cristianismo e Espiritismo EADE - Evolução do Pensamento Religioso EEM - Evolução Histórica da Mediunidade EEM - Fundamentos ao Estudo da Mediunidade EEM - Mediunidade: Estudo e Prática Elementos Gerais do Universo Em Busca da Verdade Emmanuel Encarnação dos Espíritos Entre a Terra e o Céu Epes Sargent Escolha da Espécie ESDE - Espiritismo ou Doutrna Espírita - Conceito e Objeto ESDE - Introdução ao Estudo do Espiritismo ESDE - O Contexto Histórico do Século XIX na Europa Espiritismo Estudando a Mediunidade Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita - EADE Estudo e Educação da Mediunidade - EEM Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita - ESDE Estudos Extras Evolução em Dois Mundos Existem Espíritos? Existência de Deus Explicação Filosofia Espírita Fisiologia da Alma Fonte Viva Forças Contextuais na Psicologia Francisco Espírito Santo Neto Frederico Júnior Governo Interno Há Muitas Moradas na Casa de Meu Pai Hammed Henry Sausse Hercílio Maes Hermínio Correia de Miranda História da Psicologia Moderna Ho'Oponopono Horizontes da Mente Horizontes da Vida Interação Mente-Corpo Intervenção dos Espíritos no Mundo Corpóreo Introdução Introdução à Primeira Edição Publicada em Janeiro de 1868 Introdução ao Estudo da Doutrina Espírita Ipeak Jesus e Vida Joana D'Arc Joana D'Arc Médium Joanna de Ângelis João Nunes Maia Joe Dispenza Léon Denis LIbertação do Sofrimento Marcos do Desenvolvimento da Psicologia Moderna Mecânica Quântica Mensagens de Allan Kardec Mensagens Devidas aos Invisíveis Método Meu Reino Não é Deste Mundo Miramez Missão dos Espíritas Missionários da Luz Monismo Muitos os Chamados e Poucos os Escolhidos Mundo Espírita ou Dos Espíritos Não Vim Destruir a Lei Naturalista Ninguém Pode Ver o Reino de Deus Se Não Nascer de Novo No Invisível Noções Preliminares Nos Domínios da Mediunidade Notícias Históricas O Amor O Amor - Dom Dvino O Bem e o Mal O Céu O Céu e o Inferno O Cristo Consolador O Critério da Doutrina dos Espíritos O Desenvolvimento da Psicologia Moderna O Despertar da Consciência - Do Átomo ao Anjo O Estudo da História da Psicologia O Evangelho Segundo o Espiritismo O Futuro e o Nada O Gênio Céltico O Grande Enigma O Inconsciente - Território de Nossas Ignorâncias O Inferno O Livro dos Espíritos O Livro dos Médiuns O Maravilhoso e o Sobrenatural O Mundo Invisível O Papel da Ciência na Gênese O Pensamento O Pensamento Criador O Problema do Ser O problema do Ser do Destino e da Dor O Purgatório O Ser Humano em Crise Existencial O Ser Humano Pleno O Ser Real Objetivo Dessa Obra Obreiros da Vida Eterna Oração Os "Exageros do Cérebro Os Dados da História Pão Nosso Pensamento e Vida Personalista Pietro Ubaldi Prefácio Princípio Vital Prolegômenos Psicologia Psicologia Humanística Psicologia Transpessoal Psicossíntese Que a Mão Esquerda Não Saiba o Que Faz a Direita Quem Serve Prossegue Ramatis Reflexões Sobre Deus Revista Espírita Roberto Assagioli Saúde Significado do Ser Integral SIstemas Sociedade Espírita Fraternidade Sócrates e Platão Precursores da Doutrina Cristã e do Espiritismo Solidariedade - Comunhão Universal Trabalhadores da Última Hora Um Modo de Entender: Uma Nova Forma de Viver Unidade Substancial do Universo Uranografia Geral Usina Humana Vida Feliz Vida: Desafios e Soluções Wilhelm Wundt

Pesquisar este blog

domingo, 5 de agosto de 2018

Deus na Natureza, Camille Flammarion, Quinta Parte - Deus


DEUS NA NATUREZA

QUINTA PARTE - DEUS

SUMÁRIO – Deus na Natureza, força viva e pessoal, causa dos movimentos atômicos, lei dos fenômenos, ordenador da harmonia, virtude e sustentáculo do mundo. – O homem criando Deus à sua imagem. – Erro antropomórfico. – O filósofo grego Zenófanes há 2400 anos. – A natureza de Deus é incognoscível. – Nenhum sistema humano poderá defini-la. – Diferentes modalidades da idéia de Deus, segundo os homens. – Últimas perspectivas doutrinárias. – Conclusão geral. – Epílogo.

O prisma através do qual nos permitimos concluir a nossa demonstração geral é antes síntese que peroração; e, se é verdade que a Ciência e a Poesia estão intimamente associadas na contemplação da Natureza, não podemos, judiciosamente, impedir o sentimento poético de se manifestar nestas últimas impressões que o panorama do mundo nos sugere.

Apenas, necessário fora nos consagrássemos agora a um estudo especial da causa divina, visto que por essa causa temos combatido de início, neste longo arrazoado, e todas as conclusões atingiram esse alvo supremo. Contudo, vale enfechá-las numa conclusão geral. Assim como o naturalista, o botânico, o geômetra, o lavrador, o operário ou o poeta, depois de examinar as particularidades de uma paisagem e galgar a colina de cujo cimo se abrange os pontos estudados, volta-se por contemplar de conjunto a distribuição, o plano e a beleza do panorama, assim também, após o estudo particularizado das leis da matéria e da vida, apraz-nos a ele voltar e calmamente admirá-lo.

Aos olhos da alma apraz embevecer-se na radiação celeste, que inunda toda a Natureza. Aqui, já não é a discussão, mas a contemplação recolhida da luz e da vida resplandecentes na atmosfera, que brilham no cromatismo das flores e refulgem nos seus matizes; que circulam na folhagem dos bosques e envolvem num beijo universal os inumeráveis seres palpitantes no seio da Natureza. Depois da potência, da sabedoria, da inteligência, é a bondade inefável o que se faz sentir; é a universal ternura de um ser misterioso sempre, fazendo sucederem-se na superfície do globo as formas inumeráveis de uma vida que se perpetua por amor e que jamais se extingue.

A correlação das forças físicas nos mostrou a unidade de Deus, sob todas as formas transitórias do movimento. Pela síntese, o espírito se eleva à noção de uma lei única – lei e força universais, que valem por expressão ativa do pensamento divino. Luz, calor, eletricidade, magnetismo, atração, afinidade, vida vegetal, instinto, inteligência, tudo deriva de Deus. O sentimento do belo, a estesia das ciências, a harmonia matemática, a geometria, iluminam essas forças múltiplas e lhes dão o perfume do ideal. Seja qual for o prisma pelo qual o pensador observe a Natureza, encontra uma trilha conducente a Deus – força viva, cujas palpitações, através de todas as formas, ele as sentirá no estremecer da sensitiva, como no canto matinal dos passarinhos.

Tudo é número, correspondência, harmonia, relação de uma causa inteligente, agindo universal e eternamente.

Deus não é, pois, como dizia Lutero, “um quadro vazio, sem outra inscrição além da que lhe apomos”. Deus é, ao contrário, a força inteligente, universal e invisível, que constrói sem cessar a obra da Natureza. É sentindo-lhe a presença eterna que compreendemos as palavras de Leibnitz: “há metafísica, geometria e moral por toda a parte”, bem como o velho aforismo de Platão, que poderemos assim traduzir: Deus é o geômetra que opera eternamente.

É fora dos tumultos da sociedade mundana, no silêncio das profundas meditações, que a alma pode rever-se, em face da glória do invisível, manifestada pelo visível.

É nessa visualização da presença de Deus na Terra que a alma se eleva à noção do verdadeiro117. O ruído longínquo do oceano, a paisagem solitária, as águas cujos murmúrios valem sorrisos, o sono das florestas entrecortado de anseios suspirosos, a altivez impassível das montanhas, tudo abrangendo de alto, são manifestações sensíveis da força que vela no âmago de todas as coisas. Abandonei-me, algumas vezes, a contemplar-vos, ó esplendores vividos da Natureza, e sempre vos senti envoltos e banhados de inefável poesia! Quando meu espírito se deixava seduzir pela magia da vossa beleza, ouvia acordes desconhecidos escapando-se do vosso concerto.

Sombras noturnas que flutuais pela encosta das montanhas, perfumes que baixais das florestas, flores pendidas que cerrais os lábios, surdos rumores oceânicos que nunca vos calais, calmarias profundas de noites estreladas, tendes-me falado de Deus, certo, com eloquência mais íntima e mais empolgante que todos os livros humanos! Em vós encontrei ternuras maternais, blandícias de inocência, e sempre que me deixava adormecer no vosso regaço despertava alegre e venturoso. Coloridos de esplêndidos crepúsculos, deslumbramentos de clarores moribundos, visões de sítios ermos, que deliciosos momentos de ebriedade não concedeis aos que vos amam! O lírio desabrocha e bebe, em êxtase, a luz que derrama dos céus! Nessas horas contemplativas, a alma transforma-se em flor, aspirando, ávida, as irradiações celestes.

A atmosfera já não é, tão somente, uma mistura de gases; as plantas deixam de ser simples agregados atômicos de carbono ou hidrogênio; os perfumes não se reduzem a moléculas impalpáveis e só derramados à noite, para resguardar as flores da friagem; a brisa embalsamada significa algo mais que uma simples corrente de ar; as nuvens não representam apenas vesículas de aquoso vapor; a Natureza não se oferece exclusivamente qual laboratório de química, ou gabinete de física... Antes, pelo contrário, pressentimos em tudo uma lei de harmonia soberana, que governa a marcha simultânea de todas as coisas, que cerca os mais íntimos seres de uma vigilância instintiva, que guarda ciosamente o tesouro da vida em plenitude de pujança e que, por seu perpétuo rejuvenescimento, desdobra em potência imutável a fecundidade criada. Em toda esta Natureza há uma espécie de beleza universal, que a nossa alma respira e identifica, como se essa beleza ideal pertencesse unicamente ao domicílio da inteligência.

Vésper que antecedes a noite! Carro do Setentrião! Magnificências estelares! Misteriosas perspectivas de abismo insondável! Que olhar, apercebido de vossas munificências, poderia fitar-vos indiferente? Quantos olhares sonhadores se têm perdido nos vossos desertos, ó solidões do espaço!

Quantos ansiosos pensamentos têm viajado de ilha em ilha, no vosso luminoso arquipélago! E nas horas da saudade e da melancolia, quantas pupilas molhadas têm baixado sobre os olhos fitos numa estrela predileta!

É que a Natureza tem nos lábios palavras doces, no olhar tesouros de amor e no coração sentimentos afetivos de uma preciosidade esquisita, e isso porque ela, a Natureza, não consiste somente numa organização corporal, mas também tem alma e vida. Quem quer que só a tenha entrevisto no seu aspecto material apenas lhe conhece a metade. A beleza íntima das coisas é tão verdadeira e positiva como a sua composição química. A harmonia do mundo não é menos digna de apreço do que o seu movimento mecânico. A direção inteligente do Universo deve ser constatada ao mesmo título das fórmulas matemáticas. Obstinar-se em só considerar a criatura com os olhos do corpo e jamais com os do espírito é parar voluntariamente à superfície. Bem sabemos que os adversários vão objetar-nos que o espírito não tem olhos, que é um cego de nascença e que toda afirmativa, não originária dos órgãos visuais, perde todo o valor. Mas, isto também não passa de um conceito arbitrário e, ao demais, infundado. Temos visto que é possível, de boa fé, pôr em dúvida as verdades de ordem intelectual e que é em nosso próprio senso que se forma a convicção de toda e qualquer verdade.

Transporemos, portanto, sem receio, essas mofinas objeções. Para nós a Natureza é um ser vivo e animado, e mais ainda – um ser amigo. Onipresente, fala-nos pelas suas cores, pelos sons e pelos movimentos; tem sorrisos para as nossas alegrias, gemidos para as nossas tristezas, simpatia para todas as nossas aspirações. Filhos da Terra, nosso organismo está em consonâncias vibratórias com todos os movimentos que constituem a vida da Natureza: ele os compreende e deles compartilhamos, de modo a nos deixarem n'alma uma repercussão profunda, a menos que o artifício nos tenha atrofiado. Congênita do princípio da criação, nossa alma reencontra o infinito na Natureza.

Para a ciência espiritualista, não mais se defrontam um mecanismo automático e um Deus retraído na sua imobilidade absoluta. Deus é potência e ato naturais; vive na Natureza, como nele vive ela. O Espírito se faz pressentir através das formas materiais, mutáveis. Sim, a Natureza tem harmonias para a alma, tem quadros para o pensamento, tem tesouros para as ambições do espírito e ternuras para as aspirações do coração. Sim, ela os tem, porque não nos é estranha, não está de nós segregada e somos um com ela.

Ora, a força viva da Natureza, essa vida mental que reside nela, essa organização peculiar ao destino dos seres, essa sabedoria e onipotência no entretenimento da criação, essa comunicação íntima de um Espírito universal entre todos os seres, que coisa outra poderá significar senão a revelação da existência de Deus, a manifestação de um pensamento criador, eterno, imenso? Que significam a faculdade eletiva das plantas, o instinto inexplicável dos animais, a genialidade do homem? Que será o governo da vida terrestre, sua direção em torno do seu foco de luz e de calor, as revoluções solares, a movimentação de mundos incontáveis a gravitarem conjugados no infinito? Que significará tudo isso, senão a demonstração viva, imperiosa, de uma vontade que subordina o mundo inteiro à sua potência, como envolve as nossas obscuridades na sua luz? Que será o aspecto espiritual da Natureza, senão pálida radiação da beleza eterna? – esplendor desconhecido, que os nossos olhos, desviados por falsas claridades da Terra, mal podem entrever, nas horas santas e benditas em que o divino Ser nos permite sentir sua presença.

As leis da Natureza nos têm provado que existe uma inteligência ordenadora. Essas leis – diz John Herschel118 – são, não somente constantes, mas concordantes e inteligíveis. E são fáceis de apreender com o auxílio de algumas pesquisas, mais próprias a estimular que a extinguir a curiosidade. Se pertencêssemos a outro planeta e, de súbito, nos transportássemos a um dos nossos meios sociais no intuito de observar o que neles ocorre, ficaríamos desde logo embaraçados para dizer se uma tal sociedade se regeria por quaisquer leis. Se chegássemos a descobrir que ela presumia tê-las, haveríamos, então, de procurar, na sua conduta e consequências dela decorrentes, quais poderiam ser essas leis, em que sentido foram concebidas e não teríamos, talvez, grandes dificuldades no descobrir regras aplicáveis aos casos particulares; mas, se quiséssemos generalizar, se tentássemos apreender alguns princípios salientes, a massa de absurdos, de contradições jorrantes de todos os lados, presto nos desviaria de um amplo exame, ou nos convenceria da inexistência do objeto de nossa pesquisa. Com a Natureza dá-se inteiramente o contrário. Nela não há dissonância nem contradições e, sim, e só, harmonia. Não temos jamais de esquecer o que soubemos uma vez. Quando as regras se generalizam, as exceções aparentes tornam-se regulares. Qualquer equívoco na sua legislação portentosa é tão inaudito como um ato mal entendido.

Os grandes fatos da moderna Ciência têm, por conseguinte, transformado a ideia de Deus, apresentando-o, ao demais, sob um aspecto bem diverso do encarado até agora. Esse aspecto é, ao mesmo tempo, mais grandioso e mais difícil de apreender.

E, contudo, nós podemos ao menos conceber, senão esboçar, o conjunto dessa metamorfose progressiva.

A ignorância havia humanizado Deus e a Ciência diviniza-o – se é que o pleonasmo não escandaliza os senhores gramáticos.

Outrora, Deus foi homem; hoje, Deus é Deus. A fé do carvoeiro, ainda tão gabada, não é mais a verdadeira fé. O credo quia absurdum é absurdo duplicado. O Ser supremo, criado à imagem do homem, hoje vê apagar-se pouco a pouco essa imagem, substituída por uma realidade sem forma. Pois a forma, a definição, o tempo, a duração, a medida, o grau de potência ou atividade, a descrição, o conhecimento, não mais se aplicam a Deus e mal começam a ser percebidos. O próprio nome oculta uma ideia incompleta e preciso fora falar de Deus sem nomeá-lo. Outrora, Júpiter empunhava o raio, Apolo conduzia o Sol, Netuno senhoreava os mares... Na idolatria dos budistas, Deus ressuscitava um morto sobre o túmulo de um santo, fazia falar um mudo, ouvir um surdo, crescer um carvalho numa noite, emergir da água um afogado... Desvendava a um estático as zonas do terceiro céu, imunizava do fogo, são e salvo, um santo mártir, transportava um pregador, num abrir e fechar de olhos, a cem léguas de distância, e derrogava, a cada momento, as suas próprias, eternas leis... Ainda hoje, lá no Tibet longínquo, adoram Maitreya. A mão deste deus refreia as ondas enfurecidas, abençoa um exército e amaldiçoa o rival; dirige as chuvas em rogativas de procissões e, qual hábil jardineiro, rega aqui, ensombra ali, poda acolá, ajusta, enxerta, combina, seleciona e mantém um cadastro heráldico de nomes e datas119. A maioria dos crentes em Deus o conceituam como um super-homem, alhures assentado acima das nossas cabeças, presidindo os nossos atos. Dotado de excelente vista e não inferior ouvido, mantém as rédeas do mundo e, em caso de necessidade, chama um anjo serviçal e o envia a consertar qualquer peça desarranjada do seu mecanismo. A darmos crédito às tradições do Damapadam e às inscrições d’Aschoka, o Buda tem um filho – Bodisatva – mediador assentado à sua direita, além de uma terceira pessoa – Buda-Manouschi – “a realização de Deus pelo homem”. Todos eles vivem nas alturas do Nirvana eterno, rodeados de espíritos, tronos, apóstolos, mártires, pontífices, confessores, dominações, potências, magos do culto precursor, videntes da filosofia sakhya, que foram purificados, etc.; tudo isso eternamente esquematizado e graduado, segundo os méritos de uma vida efêmera.

A história da ideia de Deus mostra-nos que ela sempre foi relativa ao grau intelectual dos povos e de seus legisladores, correspondendo aos movimentos civilizadores, à poesia dos climas, às raças, à florescência de diferentes povos; enfim, aos progressos espirituais da Humanidade. Descendo pelo curso dos tempos, assistimos sucessivamente aos desfalecimentos e tergiversações dessa ideia imperecível, que, às vezes fulgurante e outras vezes eclipsada, pode, todavia, ser identificada sempre, nos fastos da Humanidade. Notamos, então, que esta ideia relativa difere do absoluto único, sem o qual é impossível, hoje, conceber-se a personalidade divina.

Esse absoluto – importa afirmá-lo nestas últimas páginas – é absoluto mesmo e nós não o conhecemos. Ele não é o Varouna dos Árias, o Elim dos Egípcios, o Tien dos Chineses, o Ahoura-Mazda dos Persas, o Brama ou Buda dos Indianos, o Jeová dos Hebreus, o Zêus dos Gregos, o Júpiter dos Latinos, nem o que os pintores da Idade Média entronizaram na cúspide dos céus.

Nosso Deus é um Deus ainda desconhecido, qual o era para os Vedas e para os sábios do Areópago de Atenas. A noção de alguns eminentes pais da Igreja Cristã e de alguns esclarecidos teólogos modernos aproxima-se, mais que outras quaisquer, desse Deus desconhecido. Mas, como compreendê-lo, quando nenhum espírito criado, nem mesmo os anjos (se é que existem) poderiam fazê-lo?

Não cabe aqui entreter-nos com as moradas imaginadas para a pessoa de Deus. Não abordaremos o poético céu dos gregos, povoado de figuras ideais, onde os deuses sempre jovens e belos se divertem, combatem e gozam com o tomar parte nos destinos humanos. Não falaremos do sombrio e iracundo Jeová dos Judeus, que pune até à terceira ou quarta geração. Nada diremos, tampouco, do céu dos Orientais, que reserva aos crentes numerosas huris, num ambiente de beleza e delícias eternas.

Omitiremos o céu dos groelandeses, no qual a maior ventura consiste numa grande quantidade de peixes e de óleo de baleia, bem como o céu do indiano caçador, que se paga com abundância de caça, e o do Germano que, no Walhalla, faz do crânio do inimigo a sua taça de hidromel.

Se o simples bom senso humano não pode, jamais, fazer uma ideia pura e abstrata do absoluto, as tentativas da Filosofia, por sua vez, pouco ou mesmo nada tem conseguido. Quem se desse ao trabalho de catalogar as ideias acerca de Deus, do absoluto ou daquilo a que os filósofos chamam alma do mundo, ficaria pasmo da quantidade e variedade de sistemas que, desde a origem dos tempos históricos até os nossos dias, a despeito dos progressos científicos, se imaginaram por oferecer poucos raciocínios novos, e raramente razoáveis.

Dizia Goethe120 que os homens tratam Deus como se o Ente supremo, o Ser incompreensível, fosse a eles semelhante, pois de outro modo não diriam, o Senhor Deus, o nosso, o bom Deus.

Para eles e sobretudo para a gente beata, que o tem sempre nos lábios, Deus torna-se um simples vocábulo, uma expressão habitual, desligada de qualquer sentido. Entretanto, se estivessem compenetrados da grandeza de Deus, silenciariam e, respeitosamente, se abateriam de o vocalizar.

Wirchow não está com a verdade quando diz que o homem nada pode conceber do que está fora dele e que tudo que está fora do homem é transcendental.

O homem se retrata nos seus deuses – é ainda Schiller quem o diz.

A natureza de Deus, bem como a sua própria existência, está, em nosso século, no mesmo pé em que se encontrava ao alvorecer da Filosofia. Já se pode observar, no curso geral desta obra, que o nosso fim é, hoje, o mesmo que Xenófanes colimava, seiscentos anos antes da nossa era; isto é, opor uma convicção pura e racional aos dois erros capitais, que são o ateísmo absoluto e o antropomorfismo. Há muito tempo que este filósofo 121, fundador da escola de Eléa, protestou judiciosamente contra essas duas ilusões funestas. “Parece que os homens é que criaram os deuses, atribuindo-lhes as suas paixões, a sua voz, a sua fisionomia”122. Se os bois e os leões tivessem mãos, se soubessem pintar e trabalhar com as mãos, como fazem os homens, os cavalos utilizariam cavalos e os bois aproveitariam os bois para representar seus deuses, dando-lhes corpo idêntico ao seu. Ele refutou as superstições que consistiam em atribuir aos deuses a própria cor, como, por exemplo, a dos Etíopes que, em serem negros de nariz chato, assim representavam os seus deuses; os Trácios, que lhes emprestavam olhos azuis e cabelos ruivos, e os Medas e Persas, que não fugiam à regra.

Há um só Deus que a tudo mais supera,
Aos deuses não somente, como aos homens,
E que aos mortais em nada se assemelha,
Nem na forma exterior e nem na essência.

Clemente de Alexandria, que nos guardou estes versos, muito bem os caracteriza quando diz que Xenófanes aí predica a unidade e a espiritualidade divina. Onde encontrar num filósofo jônio, antes de Anaxágoras, um pensamento como este: “Sem fatigar-se, ele tudo dirige pela potência intelectual.”

Arístoto, Simplícius e Théofrasto conservaram-nos a estrutura da argumentação pela qual Xenófanes demonstrava que Deus não tivera princípio nem poderia ter nascido. Impossível – diz V. Cousin123 – não experimentar uma profunda, quase solene impressão, diante desses argumentos, quando se diz que eles representam, ao menos para a Grécia, a primeira tentativa do espírito humano para analisar sua fé e converter suas crenças em teorias.

É natural, acrescenta o filósofo eclético, quando temos a noção da vida e desta existência tão grandiosa e variada, da qual compartilhamos; quando consideramos a extensão deste mundo visível, a par da harmonia que nele reina e da beleza que reluz em todas as suas partes; quando nos detemos onde se detêm os nossos sentidos imaginativos; é natural, repetimos, concluir que os seres componentes deste mundo são os únicos que existem, que este grande todo, tão harmonioso e uno, é o verdadeiro objeto e a última aplicação do conceito de unidade e que, numa palavra, esse tudo é Deus. Exprima-se esta tirada em língua grega e aí teremos o panteísmo, que é a concepção do todo como Deus único. Por outro lado, quando descobrimos que a unidade aparente do todo não é senão uma harmonia que comporta variedade infinita, assemelhando-se a uma guerra e a uma revolução permanentes, então já não é natural destacar do mundo o conceito de unidade, que é indestrutível em nós, e, assim destacada do modelo imperfeito deste mundo visível, ligá-la a um ser invisível, tipo sagrado da unidade absoluta, além da qual nada mais há que conceber e investigar.

Estas duas soluções exclusivistas do problema fundamental sempre vieram à tona em todas as grandes épocas da história da Filosofia, alterada, é fato, com o progresso dos tempos, mas no fundo sempre idênticas, de modo a poder-se dizer que a história do seu perpétuo litígio com alternativas de predomínio de uma ou de outra foi, até o presente, a história mesma da Filosofia. E justamente por estarem no âmago do pensamento é que essas duas soluções se reproduzem constantemente, incapazes de se separarem e de se satisfazerem.

Pela documentação de Arístoto, vemos que a grande preocupação de Xenófanes era não identificar Deus com o mundo, sem, contudo, conceituá-lo uma abstração. A ideia de um ser infinito, fora do movimento, parecia-lhe uma ideia puramente negativa e, por isso, receava aplicá-la a Deus. Ao mesmo tempo, como pitagórico, repugnava-lhe fazer dele um ser finito, móbil e unicamente dotado de atributos mundanos. Simplícius lembrou dois versos do filósofo, nos quais parece admitir a imobilidade do primeiro princípio: – “Ele permanece imutável em si mesmo, não se desloca de um lugar para outro, de vez que é idêntico a si mesmo.” Xenófanes preocupou-se principalmente com o mundo exterior, mas, não estranho às especulações pitagóricas, soube entrever a inteligência, a harmonia e a unidade deste mundo, chamando Deus a essa unidade, tal como a entrevia e sentia, isto é: em relação íntima com o mundo, sem negar que fosse essencialmente distinta, mas tampouco afirmando que o fosse.

Todos os historiógrafos concordam em atribuir a Xenófanes a invenção do cepticismo universal, ao mesmo tempo que o acusam de panteísta. Valerá, talvez, frisar aqui a extravagância dessa forma de acusação, que começa por irrogar a um homem o seu ferrenho dogmatismo e acaba censurando-o por haver introduzido na Filosofia a doutrina da incompreensibilidade de todas as coisas. Sêxtus cita em apoio desta opinião um texto de Xenófanes:

“Nenhum homem soube nem saberá nada de certo a respeito dos deuses e de tudo quanto falo. E o que melhor fala nada sabe, e o que predomina em tudo é a opinião.”

O próprio filósofo, também ele, não se explica de um modo claro. Pois não diz tratar-se daqueles deuses aos quais sabemos que ele movia uma guerra encarniçada? O laço que o prendia às duas escolas de que fazia parte era o cepticismo e nessas escolas vigorava, com fórmula convencionada, que a crença nos deuses era extracientífica. Hoje estamos na mesma situação: há deuses humanos a desmascarar e um Deus verdadeiro a revelar.

Hoje ainda, como no tempo de Xenófanes, importa combater essas tendências do homem para tudo referir a si e para transportar as suas ideias imperfeitas ao domínio do Criador. A ciência iconociasta derruba as nossas imagens pueris. A Ciência, é verdade, não se ocupa diretamente com as nossas crenças; ninguém duvida tenha ela outros motivos de estudo menos incompreensíveis e mais positivos. Mas, por suas conquistas no plano físico e por seu espírito de análise, ela modifica, necessariamente, a nossa forma de ver e não mais podemos conciliar o caráter do espírito científico com essas encarnações de ideias pueris e indignas do absoluto. Nisso consiste, precisamente, a sua tendência geral. E aqui, como se dá em relação às causas finais, temos a tristeza de observar que um certo número de cientistas, reconhecendo os erros humanos, dos quais acabamos de assinalar alguns tipos, abandonaram ao mesmo tempo os erros e a crença, como se a ilusão e a incapacidade da nossa penúria implicassem a queda da causa primária, que elas mesmas desfiguraram!

Ao demais, pois que a oportunidade se apresenta, ajuntemos que este exagero de cepticismo não deve ser rigorosamente imputado a um deliberado propósito dos que caíram tão baixo, de vez que a isso foram compelidos por uma espécie de reação aos exageros da parte contrária. A principal força do ateísmo provém, indubitavelmente, dos excessos mesmos do Espiritualismo, a desafiarem uma inevitável quão legítima correção. Como têm tratado a Natureza os imprudentes espiritualistas? Admitiram uma eternidade inativa, uma criação espontânea do Universo: no vácuo infinito, uma vontade arbitrária estabelece a sucessão, a duração e a extensão. O mundo não radica no passado e aparece-nos como puro acidente. Mas, não é só: o espiritualismo exclusivista comporta concepções ainda mais temerárias, tais como a negação da matéria, que já entrevimos na primeira parte.

Berkley124 emitiu estas duas afirmações:

“Há verdades tão perto de nós e tão fáceis de alcançar, que basta abrir os olhos para as perceber. Entre as mais importantes, parece-me encontrar-se a de que a luminosa abóbada celeste, a Terra e quanto nela se contém, tudo, em suma, que compõe este Universo esplêndido não tem realidade fora do nosso espírito.” Confessemos que levar o paradoxo a esse ponto é provocar o excesso contrário, que não demora a rebatida violenta sob o prisma do ateísmo. Fanáticos outros há que não só acreditam firmemente nos mais clamorosos absurdos, como se presumem em relação direta com o próprio Deus e se conferem, por virtude dessa mesma graça, um privilégio de infalibilidade. Esses espíritos pecos imaginam, ingenuamente, que o fantasma que eles forjaram é o verdadeiro Deus, criador do céu e da Terra, e ao mínimo pretexto averbam doutoralmente, de ateus e ímpios, quantos com eles não comungam.

Em os ouvindo, é preciso acreditar nas suas pataratas, ou de tudo descrer. Não há meios-termos. Todo espírito que se não veste pelo seu figurino é anátema. Chegam mesmo a declarar que preferem o mais obstinado incrédulo ao crente que diverge das suas opiniões. Não sabem distinguir o formal do essencial. Se, por exemplo, escrevermos esta profissão de fé: “cremos de todo o coração na existência de Deus, mas não conhecemos o Ser misterioso, assim denominado e julgamos impossível que o homem consiga compreendê-lo” – estamos certo de que os zelotes da religião e da moral vão de pronto gritar – blasfêmia, iniquidade! – e interditar às suas ovelhas a leitura deste livro.

Não nos detivesse aqui um escrúpulo todo pessoal e poderíamos, assim, de antemão citar o título dos jornais e o nome dos escritores que nos vão increpar de blasfemo. Espíritos assim tacanhos encontramos em todas as confissões e em todos os dogmas: nos católicos e protestantes da Irlanda ou da Alemanha, como nos judeus ou nos muçulmanos do Cairo e de Constantinopla. Toda bandeira tem os seus imprudentes.

Todavia, a investigação imparcial da verdade exclui de seus domínios os exageros do fanatismo, tanto quanto os do cepticismo. Ela prossegue na sua tarefa laboriosa e fecunda e expõe sinceramente o ensinamento recolhido das suas descobertas sucessivas.

Dos progressos gerais da Ciência resulta, dizíamos, que a ideia comum acerca de Deus está atrasada e tornou-se até mesquinha e inaceitável, à face desses enormes progressos.

À medida que se amplia o conhecimento da Natureza, faz-se necessário desenvolver a concepção do seu Autor. São noções paralelas que participam, necessariamente, dos mesmos movimentos. Assim como nada existe de absoluto em nossos conhecimentos da criação, assim também, nada absoluto podemos idealizar sobre o Criador. E a Ciência, longe de destruir a velha ideia da existência de Deus, desenvolve-a e torna-a gradualmente menos indigna da majestade que lhe é apanágio.

Assim, não é mais um ser humano, não é mais uma personagem real que a inteligência atilada lobriga na cimeira da criação. Nossos mais altos conceitos de hierarquia, de soberania, de cetros e tronos perderam toda a capacidade de comparação; os mais nobres sentimentos de santidade, grandeza, poder, bondade e justiça abatem-se estéreis perante o ser desconhecido. Quando pronunciamos a palavra infinito, queremos nos referir a um atributo cujo caráter ignoramos totalmente. A soma integral dos nossos pensamentos é menos que zero no cômputo do absoluto. Comparados à realidade desse absoluto, estão dele mais infinitamente distantes do que estariam dos nossos os de um mísero peixe nas profundezas oceânicas. É nessa altura que as revelações da Ciência nos convidam a crer.

Dilatando-se a esfera de nossa contemplação e espalhando uma luz mais instrutiva sobre a composição geral do Universo, também avulta e aclara-se-nos o senso íntimo da divindade. Ora, ainda que a Ciência não nos houvera prestado outros serviços, ainda assim, enorme seria a sua influência, visto que, ensejando o desmoronamento dos velhos andaimes para substituí-los e entremostrar o edifício ideal da verdade, ela desloca o eixo do mundo e renova a superfície do terreno intelectual. É ao espírito científico que se aplica doravante o Renovabis faciem terrae.

Passando dos domínios dos seres criados para os do espírito puro, a noção de Deus sofre uma metamorfose correlata à noção das forças da Natureza. Estas forças não são mais elos materiais, nem mesmo fluídicos. Deus aparece-nos sob a ideia de um Espírito permanente e residente no âmago das coisas. Deixa de ser o soberano a governar das alturas celestes para ser a lei invisível dos fenômenos. Não habita um Paraíso povoado de anjos e de eleitos e, sim, a amplidão infinita, repleta da sua presença, ubiquidade imóvel, totalizada em cada ponto do Espaço, em cada instante do tempo, ou por melhor dizer, eternamente infinita e sobranceira a tempo, espaço e ordem de sucessão, qualquer passado e futuro existem para nós, seres sujeitos a tempo e medida, não para o Eterno. O espaço oferece-nos dimensões variadas e o infinito não. Não são afirmações metafísicas de cuja solidez possamos suspeitar, mas, antes, deduções inevitáveis e resultantes dos próprios dados da Ciência sobre a relatividade dos movimentos e a universalidade das leis.

A ordem universal reinante na Natureza, a inteligência revelada na construção dos seres, a sabedoria espalhada em todo o conjunto, qual uma aurora luminosa e, sobretudo, a universidade do plano geral regida pela harmoniosa lei da perfectibilidade constante, apresenta-nos, já agora, a onipotência divina como sustentáculo invisível da Natureza, lei organizadora, força essencial, da qual derivam todas as forças físicas, como outras tantas manifestações particulares suas.

Podemos, assim, encarar Deus como um pensamento imanente, residente inatacável na essência mesma das coisas, sustentando e organizando, ele mesmo, as mais humildes criaturas, tanto quanto os mais vastos sistemas solares, de vez que as leis da Natureza não mais seriam concebíveis fora desse pensamento; antes, são dele eterna expressão.

Esta convicção, adquirimo-la no exame e análise dos fenômenos da Natureza. Para nós, Deus não está fora do mundo, nem a sua personalidade se confunde na ordem física das coisas. Ele é o pensamento incognoscível, do qual as leis diretivas do mundo representam uma forma de atividade.

Tentar a definição desse pensamento e explicar o seu processo operatório, pretender discutir seus atributos ou procurar os seus caracteres, resolver o abismo infinito na esperança de poder satisfazer nossa avidez de conhecimento, seria, ao nosso ver, empresa não apenas insensata, mas até ridícula. Um tal ensaio demonstraria que o seu autor não compreendera a distinção essencial que separa o infinito do finito. Entre estes dois termos há uma distância que ponte alguma poderia cobrir. Deus é, por sua natureza mesma, incognoscível e incompreensível para nós.

Não é preciso mergulhar no labirinto do desconhecido para chegarmos à certeza da existência de Deus. Em o fazer, talvez houvesse mesmo algum perigo, se se obstinassem a viver nas sombras de um mistério impenetrável. Certo, é já dificílimo inferir do Ser supremo a noção científica que aqui deixamos entrever. Os próprios espíritos mais ponderados experimentam áridos obstáculos para assim penetrar no desconhecido pelo conhecido, no invisível pelo visível, na lei pensada pela lei manifestada, na força original pela força sensível. E nós estamos tão intimamente convencidos do trabalho necessário ao intelecto humano para chegar à noção filosófica do Deus da Natureza, que nos abstivemos de profundar mais a sua concepção, temendo que uma forçada contensão de espírito pudesse empanar a própria ideia. Concepção só acessível, portanto, às almas que compreendem a importância e o interesse desses problemas, sonhando, nas horas de solitude, com a revolução de Deus pela ciência da Natureza e descendo ou elevando-se (em Astronomia é a mesma coisa) através do velário das aparências corpóreas, até à causa virtual que tudo movimenta em plano de ordem e harmonia, tudo dispondo consoante seu peso e medida.

Esta concepção do pensamento eterno poderá parecer racional (assim o esperamos) a quantos estejam habituados ao método das ciências positivas e não se tenham transviado nelas, a ponto de obliterar a noção de causa primária.

À progênie dos que mutuamente se incendiaram nos tempos de João Huss e de Miguel Cervet, a nossa concepção há de parecer herética. Eles nos inquinarão de panteísta, sem querer compreender que não identificamos a personalidade divina com as transformações da matéria. Hão de declarar que pretendemos que tudo é Deus e que todo o mundo se governa por si mesmo. Outros terão a fantasia de nos qualificar de ateu e corruptor da moral evangélica, incapazes, que são de compreender a adoração a outro Deus que não o seu.

Uma terceira categoria, ainda mais radicalista e exagerada, tratará de malfeitores a quantos se deixarem levar pela ideia acima formulada. Mas, aonde iríamos parar se houvéssemos de revidar a toda essa gente? Na realidade, toda essa atoarda só significa uma coisa: que estamos caminhando para a frente.

Nesta, como nas obras precedentes, os leitores poderão notar a voluntária ausência de nomenclaturas escolásticas. Houve quem nos chamasse dinamista e quem fosse além, dizendo-nos duo-dinamista. Reconhecem-nos, uns, tendências para o mais evidente animismo, enquanto outros nos rotulam de organicista. Eis, agora, o vitalismo, que nos convida a declarar francamente se a ele temos aderido. A maioria acusa-nos de ecletismo. Deixamos de parte os títulos de panteísta e teísta em contradição aos de materialista e ateu, que nos foram irrogados de campos opostos. A posição de um espírito que busca unicamente a verdade só pode ser a de um grande isolado. Ele expõe-se a ser tratado como protestante pelos católicos e como romancista pelos reformados; os cristãos tacham-no de herético e os filósofos averbam-no de cristão. Ao critério de cada qual, ele não pode deixar de pertencer a um sistema, a uma seita, a uma escola.

Ora, francamente declaramos; a ninguém pertencemos.

Por que nos privarmos de recolher o bom e combater o mau onde quer que os encontremos? Porque nos convidarem a respeitar o erro pela só razão de sua antiguidade? Porque pretender encerrar-nos num círculo de antemão preconcebido? Que significam barreiras, dogmas, bandeiras que tais? Ilusão e nada mais. Sistemas? – jamais. Apenas, e só apenas, independência absoluta na investigação e culto da verdade.

O que tem prejudicado a um grande número de espíritos é essa propensão ou essa condenação para encarrilar-se numa senda. Certo, há necessidade de seguir um método pessoal, apoiar-se em verdades tradicionalmente reconhecidas, conhecer o objeto positivo dos nossos estudos e trabalhar sem esmorecimentos na conquista do saber. Nós, porém, não nos revestimos de ouropéis fictícios, nem ocultamos o nosso céu sob uma bandeira. Estudamos pouco a pouco a Natureza, através de todas as suas formas, em todos os seus aspectos, exprimindo com sinceridade o resultado do nosso estudo, sem nos preocuparmos com as palavras em disputa de pontos e vírgulas. A andorinha que volta aos penates na estação própria singra livremente a amplidão do Espaço...

Que sucederia se a obrigássemos a torcer as asas, a baixar os olhos, a levar na pata um galhardete e a rebocar consigo uma fileira de balões?

A doutrina aqui professada pode considerar-se um ateísmo ontológico, o esforço do homem para conhecer o Ente absoluto. É uma forma necessária, imposta pelo teísmo racional. O argumento extraído da Teologia prova um Deus universal, autor de todas as coisas, e o argumento da Ontologia prova a infinidade de Deus. Não podemos admitir um sem outro, quaisquer que sejam as dificuldades para conciliar as respectivas conclusões. Essas dificuldades decorrem da grandeza do assunto e, ainda que não podendo ir além do alcance da nossa vista, não é razão para fechar os olhos ao que se torna evidente. Trocando o vocábulo panteísmo por teísmo, confessamos, com um pastor anglicano125, que o “teísmo” é, por toda parte, reconhecido como teologia da razão, razão que poderá ser impotente, mas, em definitiva, é a única que possuímos.

O teísmo é a filosofia da religião, de todas as religiões, é o alvo da verdade. Preciso se nos faz pensar, ou deixar de pensar e raciocinar acerca de todos os problemas da criação. Podem as criaturas deter-se no símbolo; Igrejas e seitas podem lutar e tolher a meio caminho as consciências, apelando para Escrituras ou tentando fixar limites ao pensamento religioso, mas Deus, esse, não os tem fixado.

A razão humana, todavia, incoercível e inevitável no seu progredir, como no seu divino amor à liberdade, quebra todas as cadeias e vence todos os entraves.

Se, ao invés de tomar por objeto de estudo Deus, na Natureza, preferíssemos aqui apresentar Deus segundo os homens, competiria discutir, agora, a ideia que os filósofos contemporâneos
formularam, a respeito do Ente supremo. E seria, na verdade, um exame digno do maior interesse. Mas os limites sempre crescentes desta obra nos forçam a restringir a argumentação ao seu objetivo precípuo. Nosso dever, portanto, é aqui juntar simples mente o esboço das figuras em que se fixaram os nossos pensadores, para representar a personificação divina.

A opinião que proclama a identidade substancial de Deus com o mundo, e que recentemente tem tido uma revivescência favorável, não passa de panteísmo absoluto, na sua forma simples e íntegra. Quaisquer que sejam as palavras com que o expressem, um espírito judicioso jamais se iludiria. Se Deus e o mundo não são mais que um mesmo e único ser, Deus não existe.

Outra concepção baseada na precedente, porém, elevada a um grau de extrema sutileza, é a do Deus-ideal, a afirmar que Deus e o mundo são substancial, mas não logicamente idênticos. Deus seria, assim, a ideia do mundo, para que o mundo fosse a realidade de Deus. “Esse Deus que um filósofo nos inculca relegado em seu trono, em plenitude de eternidade silenciosa e vazia, não tem outra realidade que não a ideia, nem trono outro além do Espírito.” Deus, aí, separa-se do mundo, mediante uma operação intelectual do homem.

É um ideal criado pela lógica. Pensando em Deus, criamo-lo. Não existisse o homem e Deus tampouco existiria.

Assim, com esta hipótese, o Deus real, idêntico ao mundo, não é Deus e o Deus ideal, distinto do mundo, em realidade não existe.

É já de si, como vemos, uma teoria alambicada. A que goza agora de maior conceito, para uma certa categoria de espíritos convencidos de sua superioridade, é, porém, a que reverencia com a maior polidez o Deus vulgar, pessoal e humano, que venera os grandes princípios da Moral, da Filosofia e da Estética, declarando, todavia, que Deus, tal como o Bem, o Belo, a Verdade, ainda não existem, mas “estão à bica”. Kant, na Crítica da Razão Pura, demonstrou que o homem está invencivelmente disposto a supor reais os objetos de sua crença, sendo estes embora puramente subjetivos. Hegel retomou a grande máxima do velho Protágoras, que diz ser o homem a medida de todas as coisas, e ensinou que o indivíduo tende a erigir-se em princípio absoluto, reportando tudo a si, mostrando aos clarividentes Germanos, de olhar prevenido nesse sentido, a ideia a desenvolver-se no Universo. A escola a que nos referimos, atualmente representada por Vacherot, Renan, Taine, Scherer e talvez Saint-Beuve, ensina o desenvolvimento da ideia na Natureza, o futuro universal. O Universo caminha para a perfeição, à revelia de qualquer direção inteligente. Deus é um filósofo sem sabedoria, inferior mesmo ao herói de Sedan, visto que não se conhece a si mesmo e não tem existência pessoal. É simplesmente Divino; portanto, uma qualidade e não um ser. Nem há uma verdade absoluta, mas nuanças e metamorfoses. O pensador que contempla esse vago progresso é o mais ditoso e o mais santo dos homens. O Sr. Caro definiu bem esta religião, dizendo-a a alucinação do Divino ou o quietismo científico. A Ciência, porém, não admite semelhante quietismo, nem uma tal alucinação. É uma hipótese que se desvanece diante da crítica severa. Já evidenciamos: a tendência geral e progressiva do átomo para a mônada animada e desta para o homem, não se pode explicar sem a existência de um pensamento diretor e, em todos os casos, bem mais difícil de aceitar que o do próprio Deus.

Uma quarta escola é a que se intitula positivista e que resolveu – fato virgem – pela primeira vez, construir uma religião ateia, engendrando uma nova classificação dos conhecimentos humanos, fundada na observação pura e isenta de toda e qualquer investigação causal.

Mal grado ao seu sistema, algo vaidoso, de eliminação e negação, essa escola não prescindiu de cultuar um Deus; – a Humanidade – e cujo profeta é Augusto Comte. É um Deus que tem altares, culto, sacerdotes (tanto é verdade que os extremos se tocam), calendário, festividades. O orçamento é de antemão regulado, cabendo aos vigários seis mil e aos curas doze mil francos. O grão-sacerdote, que é no caso o Sr. Comte, tem sessenta mil francos, etc. Aqui, não há outro Deus senão a Humanidade.

Essas teorias, para os espíritos afeitos a especulações metafísicas, ainda guardam um aspecto compreensível. Outros há que, sublimados e quintessenciados, resolvem o panteísmo, numa espécie de vapor transparente, elevam a metáfora a um tal ponto que Deus deixa completamente de existir, para que só domine a sua metáfora transcendente.

“No cume das coisas, nos píncaros do éter luminoso e inacessível, pronuncia-se o axioma eterno e a repercussão prolongada desta fórmula criadora compõe, por suas ondulações inexauríveis, a imensidade do Universo. Todas as séries de coisas provêm dela, religadas pelos divinos anéis de áurea cadeia.” Certo, seria difícil imaginar como este misterioso axioma pode extrair de sua abstração o mundo real e como, ondeando no seu vácuo eterno, cria e aciona as leis gerais do mundo. Ao nosso ver, quando acusamos a teologia católica de haver tirado o mundo do nada, não adianta a troca, substituindo um milagre pelo outro.

A hipótese do axioma eterno é mais que panteísta, tem mais jus ao título de ateia, e podemos exorná-la com o qualificativo de ateísmo filosófico. Poderíamos, ainda, ajuntar-lhe aqui duas outras formas, quais as de teísmo cosmológico e ateísmo fisiológico.

O primeiro consiste em substituir as palavras do apóstolo pelo seguinte versículo: no princípio era o átomo, e o átomo era de si mesmo, e o átomo é o gerador do mundo. O segundo consiste em substituir a direção de uma causa inteligente por forças naturais inconscientes. Essas duas espécies de ateísmo, temo-las alternativamente evidenciado no curso desta obra e, com o haver feito justiça às suas pretensões, dispensamo-nos de as reconsiderar.

Por fim, vejamos o ateísmo absoluto, que se afirma quadradamente, sem pestanejar, e vai até à blasfêmia. Eis um exemplo:

“A análise metafísica reduziu a nada o velho dogma. Reduzindo Deus a entidade incondicionada, demonstrou-o impossível; provou que os seus atributos são os mesmos do nosso ser... Com que direito me viriam agora dizer – seja santo porque eu o sou? Mentiroso! – dir-lhe-ia eu – Deus imbecil, teu reino findou, procura outras vítimas entre os animais... Se é que Satã existe, o Satã és tu. Outrora, podias triunfar, mas hoje, eis-te destronado. Teu nome, que foi, por tanto tempo, a última palavra do sábio, a sanção do juiz, a força do príncipe, a esperança do pobre, o refúgio do pecador repeso, esse nome intransmissível, inalienável, de agora em diante está fadado ao desprezo, ao anátema, ao apupo dos homens.

“Porque Deus é asneira e covardia, hipocrisia e mentira, miséria e tirania; é, em suma, o mal. Enquanto a Humanidade se prosternar diante de um altar, a Humanidade será réproba. Retira-te de mim, pois hoje, curado do teu temor e feito sábio, eu juro, de mãos levantadas para o céu, que não passas de carrasco da minha razão, espectro da minha consciência!”126.

Esta cólera nada tem de científica, salvo, talvez, do ponto de vista médico, em relação aos cuidados que reclama a alienação mental. Presumimos que os nossos argumentos fizeram justiça a essa negação absoluta de pensamentos, na Natureza.

De resto, a que se reduz a negação materialista? Buscando o âmago das coisas, percebemos logo que essas negações não podem ser tão absolutamente negativas quanto o pretendem. O insensato não o será jamais impunemente e não é tão fácil, quanto possa parecer, uma convicção profunda no ateísmo. Na maioria dos casos, o que ocorre é o deslocamento da questão e nada mais. Em vez de chamar Deus à direção das forças que regem o mundo, os convencidos de ateísmo deixam de o nomear e, em vez de atribuir a um ser inteligente a inteligência dessas forças, outorgam-na à própria matéria. Removem, assim, mas não resolvem o problema, pois os fatos continuam irrevogáveis. Negam a Deus, mas não podem negar a força. Apenas, em lugar de proclamarem a soberania dessa força, consideram-na escrava da matéria inerte. Nisto reside todo o nó da questão, nó que ainda não foi desatado pelos materialistas nem pelos espiritualistas, visto que a observação direta da retina humana não vai até lá. A diferença principal que os divide no discrime está em que os primeiros não explicam a criação, nem o plano, nem a conservação da Natureza, enquanto que os segundos o fazem plausivelmente. Consideradas como duas hipóteses, as duas doutrinas contrárias não se equivalem e todo o homem sincero há de inclinar-se sempre para a que admite um Criador. Porque esta é, não só mais completa, como mais franca.

Todas as propriedades instintivas ou intelectuais que os nossos adversários não podem deixar de atribuir à matéria para explicar a ação desta, sua tendência progressiva, seu método seletivo, desde a formação do vegetal humilde à formação de um cérebro humano, são atributos que eles extraem do ignoto que nós denominamos Deus e que eles homenageiam chamando-lhe matéria. Mas, em abstraírem do mundo a ideia de ordem, verdade, beleza, perfeição, harmonia espiritual e corporal, eles arrebatam ao mundo a sua alma e a sua vida. Nós, porém, não vemos a vantagem de substituir um ser vivo por um cadáver. Seu Universo assemelha-se aos enforcados, com os quais fizemos experiências elétricas, há algum tempo. Eles como que ressuscitavam, aparentemente, graças à aplicação da eletricidade ao sistema nervoso, que lhes movimentava todo o corpo.

Gesticulavam, agitavam braços e pernas, como quem acordasse; abriam os olhos e a boca num perfeito simulacro de vida... Ora, fazendo circular no organismo universal as forças pelas quais substituem a genuína vida, os ateus hodiernos oferecem-nos um simulacro, no qual estão obrigados a simular a vida que abstraem. Sob este aspecto, é uma questão de palavras. Para nós, um cadáver é sempre cadáver, mesmo que esteja eletrizado. Emprestando à matéria atributos só cabíveis à força suprema, eles reduzem o Universo a um estado lastimoso. Se Deus deixasse de existir um momento, toda a vida universal ficaria suspensa. Seria curioso ver como esses bravos materialistas ressuscitariam e fariam circular uma vida factícia no corpo colossal de que somos, eles e nós, ínfimos parasitas.

Depois de haver visualizado a ordem universal, chegamos a confessar, levados por uma evidência irresistível, que, para uma criatura racional, é o cúmulo do contra-senso supor que exista a razão. Parece-nos absurdo integral a crença de que o espírito pudesse surgir no cérebro humano e manifestar-se nas leis do Universo, se não existisse de toda a eternidade. Nem sempre há que desdenhar os teólogos e neste lanço o pregador da Notre-Dame de Paris parece-nos aplicar o seu talento na defesa da verdade. A força cega, diz o Padre Félix, produzindo a harmonia cósmica e levando-a aos últimos desdobros, até o aparecimento do ser pensante... Mas, santo Deus! – que vamos fazer da nossa razão se doravante nos forçam a admitir uma tal reviravolta de ideias e perversão de linguagem? Como admitir uma força ininteligente dando o que não tem, nem pode ter, isto é – inteligência? Como poderiam tais forças, ininteligentes e cegas, arrastando-se umas por outras, entrosando-se num mecanismo incompreensível, chegar a produzir, ao termo de elaborações espontâneas, o pensamento, tal como a flor que desabrocha e se balança na ponta do hastil?

Pois quê! Será possível que o vosso critério filosófico possa tomar a sério a hipótese ridiculamente metafísica da preexistência de uma ordem universal, sem que houvesse um pensamento para concebê-la, uma inteligência para compreendê-la, um olhar para contemplá-la e uma alma para amá-la? Pois quê! Será essa Natureza, assim cega, inconsciente, escravizada, sem olhos de ver nem coração de amar, que vai, num silêncio eterno, tecendo a malha divina de tudo o que existe? Temo-la então, a cega Natureza originando sem o querer, nem saber, uma harmonia, até que finalmente, da base ao cimo do cosmos, como filho da cega fatalidade, surja o homem para ouvir a harmonia que não fez, e tomar conhecimento dessa ordem que não procede dele, porque lhe precede!

No mínimo, há no Universo a razão espiritual dos que se elevaram à descoberta das leis que o regem e estas, por sua vez, existem, realmente. Se assim não fora, todo o edifício da razão humana ruiria pela base. Os processos de indução, que nos levam da análise à síntese, devem ter, com efeito, objetivos reais de aplicação, sem o que só podemos raciocinar no vácuo. Generalizar uma lei parcialmente observada, acreditar simplesmente que o Sol se levantará amanhã porque se levantou ontem; ou que o trigo semeado neste outono germinará antes do inverno e será colhido no próximo verão; traduzir os fatos naturais em fórmulas matemáticas, é supor que a Natureza subordina-se a uma ordem racional e que o relógio marcará a hora acorde com a construção do relojoeiro.

O próprio processo de indução científica é um silogismo transportado dos domínios humanos aos da Natureza, reduz-se a este tipo fundamental; o mundo é regido por uma ordem racional; ora, a sucessão ou generalização de uns tantos fatos observados torna a entrar na ordem racional e, portanto, essa sucessão ou generalização existe.

Se o homem às vezes se engana nas aplicações desse processo, é que ele não se limita às aplicações imediatas, ou não tem uma base suficiente de observações diretas. Todas as ciências e sínteses indutivas do homem repousam na convicção de que a Natureza está subordinada a um plano racional.

A organização maravilhosa do mundo não vos obriga a confessar a existência do Ser supremo? Por nossa parte, muita vez temos perguntado, como se pode recusar tão obstinadamente essa existência? Quais as vantagens do ateísmo? Em que pode ele preterir o teísmo? Que pode a Humanidade lucrar com o renegar, doravante, a crença em Deus? Qual é o melhor homem: o que crê, ou o que não crê? Será, então, um ato de fraqueza o sermos lógicos com a nossa consciência?

Falta grave, o senso comum? É possível que esses espíritos fortes, galgando o céu por uma escada de paradoxos, acreditem estar bem alto... Enganam-se, porém, redondamente, com essa ilusão comparável àquela antiga prova maçônica, que era percorrer o iniciado uma escada de cento e cinquenta degraus descendentes, de sorte que, ao fim do percurso, no momento de atirar-se ao vácuo, apenas tocava o solo. Não, senhores, vossa escalada não é mais terrível do que essa e apenas pode acarretar maus resultados para os homens de vistas curtas, incapazes de perceber o vosso erro e até considerando-vos as fênix da Ciência. Fosse agradável a vossa ilusão, consoladoras as vossas doutrinas; capazes, as vossas ideias, de estimular a emulação da Humanidade pensante para elevar-se a um ideal supremo, e talvez se pudesse perdoar-vos a terapêutica. Mas, com franqueza: – em que vos parece funesta, à inteligência humana, a crença em Deus? Onde e como verificastes que o conhecimento da verdade pode enfermar o cérebro? Despojando a Humanidade do seu tesouro mais precioso, banindo do Universo a vida, rechaçando da Natureza o espírito, não admitindo mais que a matéria cega e forças zanagas, privais a família humana de ter paternidade e o mundo de ter um princípio e uma finalidade. Gênio e virtude, reflexos de um esplendor maior, eclipsam-se convosco e o mundo moral, tanto quanto o físico, não serão mais que um caos imenso, digno da noite primitiva de Epícuro.

Mas, ainda bem que o ateísmo absoluto só pode ser uma loucura nominal e o espírito mais negativista não pode, realmente, atribuir à matéria senão o que pertence ao espírito, criando assim um deus-matéria, à sua imagem e semelhança. Assim, temos visto que, desde o panteísmo místico ao mais rigoroso ateísmo, os erros humanos a respeito da personalidade divina não puderam, senão, velar, ou desnaturar a revelação do Universo, sem aniquilá-la. Nosso Deus da Natureza permanece inatacável, no seio mesmo da Natureza, força intrínseca e universal governando cada átomo, formando organismos e mundos, princípio e fim das criações que passam, luz incriada a brilhar no mundo invisível e para a qual, oscilantes, se dirigem as almas, como a agulha imantada, que não mais repousa enquanto não se encontra identificada com o plano do polo magnético.

* * *

Acercando-nos do fim deste livro, detenhamo-nos um instante por bem nos compenetrar das verdades adquiridas em nossa argumentação, guardando a legítima impressão deste arrazoado científico. Vigem hoje no mundo dois grandes erros, tão vivazes e profundos como nos tempos mais obscuros da História, isto é, nas épocas recuadas em que a inteligência humana ainda não podia formular nenhuma concepção exata da Natureza.

Esses dois erros, por nós combatidos paralelamente, são: de um lado o ateísmo, que nega a existência do espírito; e do outro a superstição religiosa, que concebeu um “Deusinho” semelhante a ela e fez do Universo uma lanterna mágica, para uso e gozo da Humanidade.

Como esses dois erros igualmente funestos – posto que à primeira vista pareçam inócuos e seja o segundo essencialmente orgulhoso – procuram agora apoiar-se em princípios sólidos da Ciência contemporânea, impusemo-nos o dever de mostrar que eles não podem reivindicar tais princípios em seu favor; que jazem fatalmente isolados da ciência positiva e desarticulam-se ao primeiro embate, qual castelo de cartas, enquanto – ideia central – continua em linha reta o espiritualismo científico.

Resumamos nossa argumentação. Constatamos, de começo, locando o problema, que o essencial consiste em distinguir força e matéria, e examinar se é a matéria que rege a força ou, ao invés, se é esta que governa aquela. As afirmativas materialistas, decalcadas na primeira das premissas, pareceram-nos desde logo puramente arbitrárias, como simples petições de princípios, fáceis de desmascarar.

Nosso exame do papel da força, na Natureza começou pela perspectiva das grandezas celestes. Vimos que na imensidade do Espaço os mundos obedecem a uma lei matemática e que é à execução dessa lei que devemos a harmonia dos movimentos celestes, a fecundidade dos astros, a manutenência dos seres em cada mundo, a vida e a beleza do Universo, em suma. A matéria inerte não se nos figurou capaz de compreender e aplicar o cálculo infinitesimal, e então concluímos que a ordem numérica da organização astronômica é devida a um Espírito, indubitavelmente superior ao dos astrônomos que descobriram a fórmula dessas leis. As contraditas que nos opõem refutam-se de si mesmas, por suas respectivas puerilidades.

O exame das leis que presidem às combinações químicas, do papel da álgebra e da geometria no microcosmo, das forças que regem os fenômenos do mundo inorgânico e ordenam as viagens atômicas, das harmonias reveladas nas vibrações luminosas, como nas cônicas, e do primeiro surto da força orgânica no reino vegetal, nos demonstrou que na Terra, como no céu, uma inteligência desconhecida tudo ordena e se traduz em beleza e grandeza máximas.

O estabelecimento da verdadeira teoria das relações entre a força e a matéria tem, por epígrafe, a velha divisa dos Pitagóricos – Os números regem o mundo.

Penetrando, então, nos domínios da vida, a primeira perspectiva que nos dominou foi a da unidade que abrange todos os seres. Sua substância pareceu-nos, muita vez, não lhes pertencer como propriamente deles e transitar, constante, de uns a outros, sendo o ar o veículo da organização vital do planeta. Os processos de respiração e alimentação nos demonstraram a solidariedade existente entre os animais e as plantas. O corpo humano apresenta-se-nos em transformação constante. O grande fenômeno da circulação da matéria estabeleceu que a existência de uma força central, constituindo a vida em cada ser, faz-se absolutamente necessária para explicar a permanência do organismo, o equilíbrio das funções vitais, a própria existência, enfim. Essa força orgânica só é transmissível pela geração.

O quadro das últimas conquistas da Química orgânica continuou afirmando a força, qual a estabelecera a Fisiologia.

Remontando, então, para além da vida atual, para a origem dos seres, a causa espiritualista revelou num crescendo a sua necessidade e veridicidade. Comparamos com a nova a velha hipótese materialista e achamos que não são mais que uma e única hipótese, aliás, insuficientes.

A mesma perquirição nos levou ao problema, não resolvido, das gerações espontâneas. O ponto essencial da questão está no havermos constatado que, mesmo na hipótese da organização autônoma da matéria, a teologia natural não é atingida e a força diretiva continua a impor-se como absolutamente necessária. Vimos, ao demais, que não são os mestres que opõem teorias contrárias à admissão de um Deus, e sim os discípulos inexperientes, de vez que a lei tanto impera na transformação e progressão das espécies, como na sua criação separada. E quanto ao homem em si mesmo, vemos que o seu posto característico na criação afirma-se, menos pelos índices anatômicos que por seu valor intelectual, tendo-se em vista a sua racionalidade e os progressos que é capaz de realizar.

Esse estudo geral da vida terrestre tem por epígrafe a proposição fundamental da obra de Arístoto: A alma é a causa eficiente e o princípio organizador dos corpos vivos.

Mas, é, sobretudo, no próprio homem que temos reconhecido mais evidente e inatacável soberania da força. Nosso exame do cérebro revelou, desde logo, a ilusão dos metafísicos que desdenham o laboratório e a dissecação, pretendendo limitar a Natureza a uma simples definição. Esse exame serviu para estabelecer as relações do cérebro com o pensamento, e mostrou que a sua composição, forma, volume e peso, estão longe de ser estranhos à alma. A ação do espírito sobre o cérebro ressaltou, íntegra, da fisiologia para afirmar-se no seu real valor. As hipóteses que resultaram na conceituação do pensamento como secreção de substância cerebral, ou como dinamismo nervoso, só conseguiram notabilizar-se pela sua inanidade. A presença da alma evidenciou-se até nos fenômenos de loucura. O gênio apareceu-nos como a faculdade máxima de pensar.

Depois, a personalidade humana veio afirmar-se no seu valor. Temos visto que existimos, realmente, que não somos apenas a qualidade variável da substância cerebral.

A alma afirmou sua unidade e personalidade. A contradição entre essa unidade e a multiplicidade dos movimentos cerebrais, sobretudo entre a identidade permanente da alma e a troca incessante das partes constitutivas do cérebro, reduziu a hipótese materialista a extrema pentiria. Em vão tentaram detê-la. Temos analisado a nulidade de suas explicações, à face dos grandes feitos afirmativos de uma consciência em nós.

Por fim, para aniquilar até os fundamentos a singular e triste pretensão de ser o homem governado pela matéria, discutimos, socorrendo-nos de fatos e exemplos, se poderia admitir-se não fossem a vontade e a individualidade mais que ilusão, e que a consciência e o julgamento dependessem da alimentação.

Os exemplos históricos de homens enérgicos, dotados de grande força de vontade, de fortes expressões de caráter, de perseverança e de virtudes, desmentiram essas últimas objeções do materialismo contemporâneo e mostraram que as faculdades intelectuais e morais nada têm a ver com a Química, e que o espírito reside num mundo distinto do material, superior às vicissitudes e movimentos transitórios do mundo físico.

Nossa alma não permitiu que a dignidade humana, a liberdade, os sagrados princípios do belo, do bom, do verdadeiro, fossem envolvidos no caos da hipótese materialista.

Esta declaração dos direitos da alma tem por epígrafe a proposição do doutor angélico: a alma conforma o corpo e nele se contém em ato e em potência.

As três grandes divisões que vimos de resumir tiveram por complemento natural as nossas considerações sobre a destinação dos seres e das coisas. Comentamos o erro e o ridículo dos que tudo ligam ao homem, bem como o seu oposto, que nega a existência de um plano na Natureza. As leis organizadoras da vida, a maravilhosa construção dos órgãos e dos sentidos, nos revelam uma causa inteligente na instalação da vida planetária. A hipótese da formação dos seres vivos sob a ação de uma força universal instintiva, e da transformação das espécies, longe de anularem a idéia do Criador, deixaram intactas a sua onipotência e sabedoria.

E assim, o plano da Natureza foi anunciado pela construção dos seres vivos.

Mais eloquentemente ainda, foi esse plano afirmado pelas provas do instinto no reino animal. A criação, aí, nos surgiu magnificamente completada por leis assecuratórias da sua duração e grandeza. Mas, ao mesmo tempo que a presença de Deus se manifestava mais imponente aos nossos olhos, o problema geral da finalidade do mundo surgia mais vasto e temeroso. Sentimos, então, a insignificância comparativa e assim fomos levados, naturalmente, pela diretriz do arrazoado, a retomar a ideia dominante do nosso ponto de partida, isto é, demonstrar conjuntamente o erro do ateísmo e da superstição religiosa.

Este exame da causalidade final teve por epígrafe o título da obra do grande físico e filósofo Ested – O Espírito na Natureza.

A força espiritual que vive na essência das coisas e governa o Universo em suas partículas infinitesimais revelou-se assim, sucessivamente, nos mundos sideral, inorgânico, vegetal, animal, pensante. Esperamos que o observador de boa fé, desprevenido do espírito de sistema, se contentará com esta exposição dos últimos resultados da Ciência contemporânea, confirmativos da soberania da força e da passividade da matéria.

Temos íntima convicção de que a ideia de Deus se apresentou a seus olhos maior e mais pura que toda e qualquer imagem simbólica e dogmática, e que a criação universal, misteriosa filha
do mesmo pensamento, lhe surgiu mais ampla e mais bela.

O Universo desdobra-se na sua realidade, como a manifestação de uma ideia una, de um plano único e de uma só vontade. Possa este quadro da vida eterna da natureza de Deus afastar o leitor dos erros grosseiros que o materialismo espalha por toda parte, robustecendo-lhe o intelecto no culto puro da Verdade. Possam os nossos espíritos se compenetrarem, cada vez mais, do Belo manifestado na Natureza e santificarem-se no Bem, com o apreciarem mais completamente a unidade da obra divina, fazendo uma ideia mais justa do nosso destino espiritual, conhecendo a nossa categoria na Terra em relação ao conjunto dos mundos e sabendo, finalmente, que a nossa grandeza está em nos elevarmos constantemente na posse e pela posse dos bens imperecíveis, que são apanágio da inteligência.

* * *

Uma tarde de verão, deixara eu as flóreas vertentes de Sainte-Adresse, deliciosa vila litorânea recortada em colinas, para galgar as grimpas do cabo Heve, que ao poente lhe demoram. Quando, de sua base contemplamos os cabeços desses penhascos, acreditamos estar vendo colossos de granito avermelhados pelo sol, quais gigantes imóveis que assistissem, petrificados, aos bramidos do oceano que vem morrer a seus pés. No seu isolamento, esses maciços enormes e inacessíveis pelo lado do mar parecem talhados para dominar o soberbo panorama. A seu lado, fronteando o oceano, o homem sente-se tão insignificante que acaba perdendo de vista a própria existência e confundindo-se com a vida abstrata, que paira acima dos bramidos oceânicos.

Sempre a subir, cheguei ao plano superior, onde ficam os semáforos que avisam, longe, aos navios o movimento horário das vagas costeiras, onde os faróis se acendem à boca da noite, quais estrelas permanentes na amplidão das trevas. O Sol, glorioso, ainda se pendurava rubro das nuvens incendidas, posto que já oculto para o Havre e para as planuras que bordam o estuário do Sena. Ao alto, o céu azul me coroava com a sua pureza. Em baixo, a mata, fervilhante de insetos, exalava em ondas o seu perfume. Caminhei até à escarpa, ao fundo da qual se mostram os abismos. Do cairel da rocha em vertical, o olhar domina a imensidão dos mares, desdobrados à esquerda, de sueste a nordeste. Mergulhando-o perpendicularmente, ele se perde na profundeza de massas verdes, rochedos e brenhas escuras – tapete rústico estendido a trezentos pés abaixo dos contrafortes dessa muralha. O gemido das vagas mal nos chega nestas alturas, nosso ouvido apenas percebe um rumor uniforme, que o vento gradua de intensidade. É um silêncio que canta, longe do mar.

– A Natureza estava atenta ao derradeiro adeus, que o príncipe da luz enviava ao mundo, antes que descesse do seu trono para sumir-se no horizonte líquido. Calma e concentrada, ela assistia à prece universal dos seres, pois que eles a fazem – a santa prece do reconhecimento – ao receberem os últimos olhares do Sol. E todos, desde a flébil e solitária medusa e a estrela-do-mar policroma, até os gafanhotos saltitantes e os alcíones de neve; todos lhe agradecem piedosamente. Era, então, um como incenso a subir das vagas e dos montes, parecendo que os ruídos temperados da plaga, a brisa que soprava do continente, a atmosfera embalsamada, a luz palescente na serenidade do céu azul, o refrigério crepuscular e tudo o mais vinha, naquele sítio, consciência de vida, comungando contrita e amorosamente da adoração universal.

Mentalmente, nesse holocausto da Terra, eu sentia as recíprocas atrações dos mundos; não apenas as que alternativamente afastam e aproximam nosso orbe do foco solar, como as de todos os astros que gravitam na imensidão dos céus. Acima de minha cabeça desdobravam-se as sublimes harmonias e as gigantescas translações dos corpos celestes! A Terra era qual átomo flutuante no infinito! Deste átomo, porém, a todos os sóis do espaço, àqueles cuja luz leva milhões de anos para chegar até nós, aos que jazem desconhecidos para além da nossa visibilidade, eu sentia um laço invisível abrangendo, num só halo vivificante, todos os universos e todas as almas. E a prece celestial, grandiosa, imensurável, tinha a sua repercussão, a sua estrofe, a sua representação visível naquela vida terrena que palpitava em torno de mim, no rugido do mar, no perfume das selvas, no canto das aves, na melodia confusa dos insetos, no conjunto emocionante do cenário e, sobretudo, na luminosa tonalidade daquele extraordinário crepúsculo!

Fitava-o embevecido, sim... mas sentia-me tão pequeno no meio de tantas graças e grandezas, que acabei por entristecer-me. Senti como que esvanecer-se a minha personalidade diante da imensidade da Natureza. Não me tardou a impressão de já não poder falar, nem pensar.

– O vasto mar fugia para o infinito. – Eu não mais existia, meus olhos se velavam... E, como as faces se me inundavam de pranto, sem que me pudesse explicar porque chorava, ajoelhei-me e, prosternado ante o céu, confundi minha fronte com as ervas... – o mar fugia sempre e os seres continuavam em prece.

E o Sol, fonte dessa luz e dessa vida, espiou uma última vez lá da faixa marinha do horizonte, como que satisfeito com aquela homenagem que nem um ser ousara recusar-lhe... E assim, contente da jornada, mergulhou orgulhoso no hemisfério de outros povos.

Fez, então, grande silêncio em toda a Natureza. Nuvens de ouro e púrpura evolaram-se às paragens reais e ocultaram os últimos timbres avermelhados. A sombra descia do alto. As ondas adormeceram, porque o vento abrandara. Os pequeninos seres alados adormeceram também e Vésper, núncia da noite, começou a luciluzir no éter.

“Ó misterioso Incógnito! – exclamei – grande, imenso Ser, que somos nós, pois? Supremo autor da harmonia, quem és tu, se tão grandiosa é a tua obra? Pobres mitos humanos os que supõem conhecer-te – ó Deus! Átomos, nada mais que átomos, como somos ínfimos! E como tu és grande! Quem, pois, ousou nomear-te pela primeira vez?

“Que orgulhoso insensato pretendeu definir-te, ó Deus! – ó meu Deus, todo poder e ternura, imensidade sublime e inconcebível!”

“E, como qualificar os que vos têm negado, que em vós não crêem, que vivem fora do vosso pensamento e jamais sentiram vossa presença – ó Pai da Natureza!”

“Amo-te! amo-te! Causa suprema e desconhecida, Ser que palavra alguma pode traduzir, eu vos amo, divino Princípio! mas... sou tão pequenino, que não sei se me ouvireis, se me entendereis.”

Como estes pensamentos se precipitavam fora de mim, para fundirem-se na afirmação grandiosa de toda a Natureza, as nuvens se esgarçaram no poente e a radiação áurea das regiões iluminadas inundou a montanha.

“Sim! tu me ouves, ó Criador! tu que dás a beleza e o perfume à florinha silvestre! A voz do oceano não abafa a minha voz e meu pensamento a ti se eleva, ó Deus! com a prece coletiva.”

Do todo do Cabo, minha vista se estendia ao Sul como ao Ocidente, na planície como sobre o mar. Voltando-me, lobriguei as cidades humanas, meio adormecidas nas plagas. No Havre as ruas comerciais se iluminavam e além, na margem oposta, Trouville acendia o seu parque de diversões.

E enquanto a Natureza se mostrava reconhecida ao seu Autor com o saudar a missão de um dos seus astros fiéis; enquanto todos os seres lhe enviavam suas preces e o rugido dos mares misturava-se ao vento, em ação de graças ao termo de um belo dia; enquanto a obra criada, unânime e recolhida, se oferecera ao Criador, a criatura imortal e responsável – ser privilegiado da Criação, expoente do pensamento – o Homem, vivia à margem, indiferente a tantos esplendores, sem olhos de ver nem ouvidos de ouvir, parecendo ignorar essa harmonia universal, em cujo seio deveria encontrar a sua felicidade e a sua glória.


FLAMMARION, C. Quinta Parte: Deus. In: Deus na Natureza, cap. 5